Assinar Edições Digitais

Arquiteto de Leiria conquista prémio internacional na China

Luís Marques, que cresceu em Leiria, venceu concurso internacional de arquitetura com uma torre de 180 metros de altura para a província de Hunan, na China.

“Sempre me destaquei por gostar da curva, em detrimento da reta”, é assim que se descreve Luís Marques, arquiteto. Prova disso é o último projeto que liderou num atelier em Shanghai, na China. O resultado final foi vencedor de um concurso internacional de arquitetura e ganhará forma no final do ano.

O desafio consistia na construção de uma torre ícone para a província de Hunan, em Xiangjiang, semelhante ao conhecido Arco do Triunfo, em França. Para o arquiteto de 34 anos, conhecer a história do local foi essencial: “estudei a história da província chinesa e percebi que tem o ganso como animal ícone. E foi uma das primeiras zonas da China onde foi descoberto o fogo”, conta ao REGIÃO DE LEIRIA. O desenho do edifício, da autoria de Luís Marques, representa os dois elementos e ainda o rio, uma vez que a construção estará numa zona de cruzamento entre dois cursos de água.

“A torre são dois gansos que se apoiam um no outro e fazem um pórtico para a nova cidade que está a ser construída por detrás do edifício”, explica. Um dos animais olha para a cidade antiga, em sinal de homenagem, e o outro olha para o futuro, avança o arquiteto. À noite, a iluminação da fachada do edifício dá a ilusão de ali existir uma chama.

O primeiro lugar no concurso internacional vale ao atelier RMJM Shanghai a construção do edifício já no final deste ano. Com 180 metros de altura, o imóvel terá uma zona comercial, espaço de exposição, museu e espaço cultural, restaurante e ainda um café panorâmico.

Luís Marques cresceu na cidade de Leiria e este prémio é a “sensação de que todos os sonhos se podem tornar realidade”. Há 8 anos que saiu de Portugal e passou pelo Japão, Inglaterra, Singapura, Dubai e Taiwan antes de se fixar em Shanghai, há dois anos. “A minha ideia sempre foi fazer carreira internacional antes de regressar”, afirma.

Voltar a Portugal não é para já, mas quando o fizer será para abrir um atelier de arquitetura. Hoje, deixa uma mensagem aos de cá: “quero dizer aos jovens arquitetos portugueses que tudo é possível se nós batalharmos”.

Joana Magalhães
Jornalista
joana.i.magalhães@regiaodeleiria.pt

Luís Marques