Hélder Vigia, da Nazaré, à saída do Diamond  Princess esta madrugada (hora de Portugal)

Os dois tripulantes do navio Diamond Princess naturais de Alcobaça e Nazaré começam esta sexta-feira, 28, um período de quarentena num colégio adpatado a unidade hospitalar e centro de acolhimento no Japão.

A transferência do grupo que inclui Daniel Silvério Mateus e Hélder Vigia está marcada para as 12 horas locais (menos nove em Portugal continental).

Além destes portugueses, o grupo inclui um cidadão natural do distrito de Lisboa. Os três têm apresentado testes negativos à presença do Coronavírus.

Além de Adriano Maranhão, já internado, há um quinto português que integrava este grupo e saiu do navio antes de ser conhecido o caso daquele canalizador da Nazaré. Nesta quinta-feira, 27, foi revelado que apresenta “indícios” do Coronavírus.

Este homem, que não é do distrito de Leiria, pediu confidencialidade, mas a sua situação era conhecida. Sabia-se que estava hospitalizado e doente, mas não a razão concreta, que só agora foi revelada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Os portugueses devem passar um período de 14 dias de quarentena no centro de acolhimento no Japão.

Está internado num hospital no Japão Adriano Luís Maranhão, canalizador, de 41 anos, natural da Nazaré. É casado e têm três filhas, de 3, 5 e 8 anos.

Quanto a Daniel Silvério Mateus, de 54 anos, residente em Alcobaça, é carpinteiro, casado e tem dois filhos, de 10 e 27 anos.

Hélder Vigia é o outro português natural da Nazaré, tripulante do Diamond Princess, atracado no Japão. É técnico de manutenção, tem 49 anos, é casado e pai de duas jovens, de 16 e 25 anos.

Nota: notícia editada às 11h15 para precisar as características da unidade hospitalar onde já se encontram os portugueses