Em outubro do ano passado, em Leiria, avançou uma rede de cidades europeias que pretende aliar sustentabilidade, planeamento e segurança. Chama-se UrbSecurity. O Centro Histórico de Leiria é uma das prioridades da autarquia.

Depois de “um período de adaptação à pandemia”, a segunda fase da implementação do programa da rede UrbSecurity arrancou esta sexta-feira, revela o município da cidade do Lis.

A UrbSecurity assenta numa rede de cidades europeias formalizada há um ano. A ideia central passa por encontrar soluções de planeamento para melhorar a segurança.

Em Leiria, o município “estabeleceu como objetivos a requalificação do centro histórico e de zonas urbanas nos arredores da cidade, implementação de um plano de mobilidade e acessibilidade, avaliação dos espaços públicos e áreas sensíveis, entre outros”, refere o comunicado emitido esta tarde.

O encontro que marcou o arranque do programa aconteceu em outubro do ano passado em Leiria, cidade que “lidera e coordena a atividade” de uma rede que engloba outras oito cidades e regiões europeias: Longford (Irlanda), Madrid (Espanha), Mechelen (Bélgica), Michalovce (Eslováquia), Parma (Itália), Pella (Grécia), Associação de Municípios Szabolcs 05 (Hungria) e a região da Romagna Faentina (Itália).

Esta rede foi uma das 23 que viram a sua candidatura aprovada para a fase 2 no âmbito de um programa europeu de aprendizagem e troca de experiências na promoção do desenvolvimento urbano sustentável, o Programa URBACT.

Criar estratégias e soluções “ao nível do planeamento urbano que possam prevenir o crime”, bem como melhorar a “perceção de segurança urbana e alterar comportamentos, para, no fim, melhorar a qualidade de vida dos cida-dãos em meio citadino”, são alguns dos objetivos.

Leiria “vê a segurança urbana como um pilar essencial à dinâmica de uma comunidade”, aponta Gonçalo Lopes, presidente da Câmara de Leiria, citado na nota emitida pela autarquia.

Os trabalhos da rede devem prolongar-se até “meados de 2022, altura em que serão apresentados os resultados”.