O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior disse hoje que o Politécnico de Leiria deu “um exemplo impressionante” ao iniciar as aulas presencialmente em período de pandemia de covid-19, numa visita àquela instituição.

“Como se vê pelo Politécnico de Leiria, o ensino superior está bem e recomenda-se. O Politécnico de Leiria deu um exemplo impressionante a todo o país. Foi a instituição que começou mais cedo, está há quatro semanas em aulas, o que é a prova clara de que é possível ensinar e aprender em segurança em todas as áreas”, afirmou o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, após a visita a diferentes unidades da instituição.

O governante visitou o centro de rastreios do Politécnico de Leiria, instalado no ciTechCare – Centro de Inovação em Tecnologias e Cuidados de Saúde, e considerou que é “um exemplo daquilo que é uma instituição de ensino superior com responsabilidade, que obviamente ensina os estudantes a viver de uma forma responsável, mas também tem uma função pedagógica para a sociedade em geral”.

Segundo o ministro, as “instituições de ensino superior e as instituições científicas são elementos particularmente críticos para passarem esta mensagem de confiança, como aquela que se vive no Politécnico de Leiria: confiança com responsabilidade”.

“Tive oportunidade de ir a várias salas de aula, falei com vários estudantes e nota-se um clima de grande confiança e de grande responsabilidade”, reforçou.

O Politécnico de Leiria continua a reivindicar a passagem a universidade politécnica ou de ciências aplicadas, mas Manuel Heitor desvaloriza o título: “Prefiro muito mais abordar o conteúdo. Não me canso de dizer que temos no setor politécnico português as principais inovações que surgiram no ensino superior nos últimos anos”.

Segundo o ministro, o ensino superior politécnico “é o setor que mais cresceu este ano – 18% – e onde foram experimentadas as novas formações curtas”.

“Sabemos cada vez mais que o ensino superior em Portugal, na Europa e no mundo passa pela diversificação de diferentes instituições. Hoje, o símbolo politécnico, muito devido ao Politécnico de Leiria, é um símbolo de qualidade. Isso é o que interessa. Precisamos de instituições diferentes umas das outras e cada vez mais ligadas à realidade, quer científica quer económica e social.