Uma floresta onde mora história e natureza, que brota da tradição e da convivência dos elementos, sucumbe à violência do fogo e à ditadura da incúria?

Clique em play para visualizar o vídeo

Três anos após o fogo que metamorfoseou o verde pino em cinza, as imagens substituem as palavras e contam a história de um Pinhal que não se rende.

O passado, o presente e o futuro de uma mata que, sendo nacional, foi coletivamente batizada de “pinhal”, graças ao pinheiro, sobretudo bravo, que ali se refinou e amestrou areias e ventos empurrados pelo Atlântico. É um Pinhal de apelido “Leiria” para uns, do “Rei” para outros.

É, sobretudo, o pinhal de muitos.  

As imagens são de Joaquim Dâmaso e do arquivo do Região de Leiria.