Assinar


Mercado

Leiria foi responsável por 3,7% das transações da Remax no ano passado

Transacionou em todo o país imóveis com clientes de 101 nacionalidades

O distrito de Leiria foi responsável por 2.298 transações de imóveis da Remax Portugal em 2020, ficando entre os 10 principais mercados nacionais do grupo imobiliário.

A empresa anunciou esta terça-feira, dia 23, que transacionou em Portugal 62.103 imóveis no valor de 4.600 milhões de euros em 2020, o que representa uma quebra de 8,5% em volume e de 11,6% em valor face ao ano anterior.

A Remax registou um crescimento nas zonas norte (1,3%) e centro-norte (1,2%) do país, enquanto o Alentejo, centro-sul e ilhas mantiveram uma atividade muito similar ao período homólogo.

Por distritos, destacaram-se Lisboa, Porto e Setúbal como “os mais relevantes nos resultados globais”.

“Quanto ao número de transações Remax negociadas por distrito o ano passado, Lisboa lidera o top 10, com um total de 25.163 transações, o que corresponde a 40,5%.

Seguem-se os distritos do Porto (13,3%), Setúbal (11,5%), Braga (5,8%), Faro (4,7%), Santarém (3,9%), Leiria (3,7%), Coimbra (3,4%), Aveiro (3,3%) e Viseu (1,9%) – no total, os 10 distritos portugueses que representam 92% dos imóveis transacionados pela rede em 2020”, refere a imobiliária.

Quanto aos Açores e à Madeira, surgem nas 12.ª e 14.ª posições, respetivamente, com 817 (1,3%) e 536 (0,9%) transações, pela mesma ordem.

A Remax precisa em comunicado que 76,3% das transações efetuadas foram de compra e venda de imóveis, tendo o crescimento homólogo de 15% registado nos primeiros dois meses de 2020 e a recuperação ocorrida a partir de maio permitido à rede atenuar a quebra total anual.

No ano passado, transacionou imóveis com clientes de 101 nacionalidades, mas continuaram a ser os portugueses a liderar, ao assegurarem 83,3% das transações.

Seguiram-se os brasileiros (que, com 5,15% do total, se destacaram pelo quarto ano consecutivo como a principal nacionalidade estrangeira), os franceses (1,35%) e os angolanos (1,13%).

Os dados de 2020 da Remax mostram ainda que os apartamentos e as moradias foram os dois tipos de propriedade que a rede mais comercializou no ano passado, representando 61,8% e 22,4% do total, respetivamente.

Por tipologias, os apartamentos mais vendidos foram os T2 (45,4%), seguindo-se os T3 (31,6%), os T1 (16,6%), os T4 (4,1%) e os T0 (1,6%).

Dos imóveis negociados neste período, 6% dizem respeito a terrenos e 3,9% são lojas.

“O ano de 2020 começou com muita vitalidade no sector imobiliário. Com o contexto de pandémico, houve naturalmente um abrandamento da atividade do mercado, sentida na segunda metade do mês de março e em abril. Contudo, nos meses seguintes começou a ser desenhada uma linha de recuperação, notória nos indicadores económicos e que se explica pela robustez e forte dinamismo da rede Remax”, refere a presidente executiva da imobiliária, citada no comunicado.

Segundo Beatriz Rubio, a Remax reforçou a sua capilaridade, abrindo novas agências por todo o país, e contratou novos agentes para reforço das suas equipas no acompanhamento aos clientes: “Tivemos a capacidade de nos adaptar e ser resilientes a um novo contexto, reforçando a nossa aposta em fatores determinantes para a atividade imobiliária: a tecnologia, um uso mais acentuado de canais digitais nas vendas de imóveis e a formação contínua”, considera.

Em 2020, o número de profissionais Remax em atividade aumentou 18,5% face ao ano anterior, passando de 10.519 para os 12.466, enquanto o total de agências na rede subiu 5,6%, de 340 para 359 agências.

Para este ano, Beatriz Rubio mantém “perspetivas positivas” para o setor imobiliário, considerando que “a estabilização dos preços, a imagem reforçada de resiliência que o setor ganhou o ano passado, as baixas de taxas de juro, a liquidez bancária para concessão de crédito, uma maior adaptação à nova realidade por parte das várias entidades intervenientes e a progressiva recuperação da atividade económica que acompanhará o processo de vacinação permitem antever um 2021 mais dinâmico”.

“Depois de um ano atípico, acreditamos que este será um ano mais favorável para o mercado imobiliário português”, prevê.

Para a Remax, a aposta no capital humano e a expansão da marca nos mercados do interior do país, “onde existe pouca mediação ou esta não é avançada”, são outros dos objetivos em 2021.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.