Assinar


Pombal

Requalificação urbana no centro de Pombal com investimento de 1,7 milhões de euros

A câmara municipal aprovou o projeto de reabilitação do Jardim da Várzea

A requalificação urbana no centro da cidade de Pombal, um investimento de cerca de 1,7 milhões de euros, vai estar concluída no verão de 2022, disse esta terça-feira, dia 13, o vice-presidente do município.

“A requalificação [da zona da Várzea] começou em fevereiro, tem um prazo de 540 dias, prevendo-se que os trabalhos possam estar concluídos no verão do próximo ano”, afirmou Pedro Murtinho.

Segundo o vereador, que tem o pelouro da Gestão das Obras Públicas, o que se pretende com esta requalificação urbana é “potenciar uma maior vivência do espaço publico”.

“A Várzea é uma zona conhecida por ser estruturante da cidade, mas está desqualificada”, observou Pedro Murtinho.

Com esta empreitada, Pombal “vai ter um espaço muito acessível, mais verde, muito mais funcional, numa relação muito mais segura entre peão e automobilistas”, adiantou o autarca.

“E vai criar condições para que a população desfrute muito mais do espaço publico, fomentando a mobilidade sustentável e potenciando Pombal como uma cidade mais atrativa e inclusiva”, realçou.

No âmbito desta intervenção, numa área de 22.430 metros quadrados, a câmara municipal aprovou o projeto de reabilitação do Jardim da Várzea, anunciou a autarquia.

A este propósito, Pedro Murtinho explicou que em abril de 2020, o município liderado por Diogo Mateus abriu “um período de auscultação pública”, tendo recebido várias propostas para o Jardim da Várzea.

“Foi isso que foi a reunião de câmara municipal. Entendemos, face a estes contributos, melhorar o projeto inicialmente aprovado, incluindo algumas sugestões da população”, referiu, explicando que “se procurou sempre, com esta alteração, um equilíbrio entre o espaço verde e o pedonal”.

De acordo com informação enviada pela autarquia, as obras de requalificação urbana da Várzea, financiadas pelo Programa Operacional Regional do Centro, integram o Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano para a cidade e pretendem “valorizar o espaço público e a mobilidade numa zona estruturante”.

“Trata-se de uma área que se encontra desqualificada e inserida num setor caracterizado por rede viária principal de acesso ao centro da cidade e a estação de caminhos-de-ferro”, esclarece o município, adiantando que os trabalhos contemplam a “criação de uma nova rede de drenagem de águas pluviais e águas residuais, rede de abastecimento público de água, infraestruturas elétricas e telecomunicações, execução de passeios e repavimentação de todos os arruamentos”.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.