Assinar
Cultura

E-book da Rede Cultura 2027 revela a “importância em financiar a investigação”

O e-book lançado ontem, em Peniche, pela Rede Cultura 2027 juntou nove trabalhos que ressalvam o papel da investigação e do ensino superior.

O primeiro livro digital da Rede Cultura 2027 foi lançado ontem, 24 de junho, no Museu da Renda de Bilros de Peniche, e nas palavras de Paulo Lameiro, diretor executivo da rede, a iniciativa foi “fundamental para iniciar um trabalho mais contínuo, articulado e financiado com a ousadia de [sermos] sustentáveis”.

As atas do Colóquio “Património Cultural Europeu na Rede Cultura 2027” reunidas no e-book com os estudos de nove jovens investigadores revelam, segundo o diretor executivo, a “importância em financiar a investigação e colocá-la ao uso da comunidade”, ressalvando, também, o papel do ensino superior.

Arqueologia, turismo, história e história da arte foram algum dos temas abordados pelos autores envolvidos no projeto, nascido no âmbito do colóquio realizado em outubro passado.

O lançamento do e-book decorreu no Museu da Renda de Bilros de Peniche, com transmissão online

Entre as investigações agora reunidas, está o trabalho de Bernardo Garcia (mestrando em História e investigador) sobre “A Cultura e a Arte no Património Religioso de Peniche”:

“Decidi falar sobre este tema, porque são dois elementos que não se separam. A arte é sempre reflexo da cultura”, contou o autor, dando como exemplo a arte barroca, “que é espelho da época e se reflete na cultura”. Para a escolha pelo património religioso em Peniche, falaram mais alto as raízes de Bernardo Garcia, assumiu.

Por outro lado, Sara Garcês abordou a arte pré-histórica, um assunto, na opinião da investigadora, “pouco conhecido”, embora “tenha ocupado grande parte da [nossa] existência em termos temporais”.

A jovem investigadora apresentou o tipo de arte realizada há sete mil anos, as características da mesma e os locais do território da Rede Cultura 2027 onde é possível encontrá-la.

Também o “Turismo a Oeste” é destaque nas páginas do livro digital, através do contributo de Tiago Matias, que escreveu acerca do património natural das praias da Nazaré e de São Martinho do Porto.

As várias comunicações tocaram em pontos importantes da candidatura de Leiria a Capital Europeia da Cultura 2027, como é o caso do património natural, que “não pode ser esquecido e tem de ser preservado ao máximo, estando muito vivo na rede”, disse Francisco Teles Gama, coordenador do colóquio.

Paulo Lameiro aproveitou o evento para sublinhar a importância da candidatura leiriense, que “além de ter património, quer habitar nele e possui sonhos maiores”.

O e-book está disponível para consulta e download no site da Rede Cultura 2027.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.