Assinar
Desporto

O primeiro título nacional feminino de futebol de praia fica na Nazaré

“O Sótão” fez história e venceu em casa o primeiro campeonato nacional com uma equipa formada por muitas jogadoras da região mas nenhuma da Nazaré, o principal viveiro nacional da modalidade.

A festa final da equipa da Nazaré, celebrando efusivamente o título com a dirigente Milene Piló

A tradição ainda é o que é no futebol de praia. Mas será exatamente assim? Depois de muitas cartas dadas na modalidade – leia-se títulos e jogadores formados, alguns dos melhores do mundo, como Jordan Santos -, a Nazaré volta a fazer valer os seus atributos, agora no feminino. No fim de semana, o primeiro título nacional feminino foi para a galeria de troféus de “O Sotão”, associação da Nazaré com grande cartel na bola jogada sobre a areia por homens e que, agora, arrancou com o pé direito no primeiro grande desafio para mulheres: a vitória (2-3) sobre Pastéis da Bola valeu o primeiro título nacional feminino, cuja fase final foi disputada na Nazaré.

“Era a única coisa que faltava n’‘O Sótão’”, diz Milene Piló, diretora da equipa feminina campeã, ainda nas nuvens com a conquista. “Foi muita emoção. Fizemos história. Sabíamos que tínhamos excelentes jogadoras e que podíamos ter bons resultados. Mas não conhecíamos as outras equipas…”.

Depois de vencerem a fase distrital e golearem na meia final o Paredes (8-2), encontraram os Pastéis numa emocionante final que “O Sótão” dominou quase sempre.

A aventura deste título começou em 2019: jogadoras de futsal e futebol de 11 juntaram-se para disputar o EuroWinners, competição de praia que aconteceu na Nazaré. “Foi uma excelente experiência, tão boa que continuámos”, conta Milene Piló. Mas a pandemia trocou os planos e só em 2021, com o lançamento do primeiro campeonato feminino, o grupo se reencontrou. “Tivemos sempre em contacto e resolvemos participar”.

Até ao título nacional houve “muito trabalho”, a que se juntou “toda a garra que temos”. “O resultado é este: ao primeiro campeonato, fomos campeãs”, frisa Milene Piló, que reparte funções diretivas com Raquel Amarante numa equipa que “é como uma família”. Em campo, as campeãs são Petra Reis e Diana Monteiro (guarda-redes), Inês Cruz, Mariana Rosa, Ana Jorge, Ema Toscano, Luíza Meza, Patrícia Rino, Ana Correia (jogadora-treinadora), Carolina Pereira, Luciana Garcia, Joana Flores, Jéssica Pastilha. No banco estiveram os treinadores Nuno Vasco e João Carlos.

A equipa é formada por atletas de Alcobaça, Batalha, Leiria ou Vieira de Leiria. E da Nazaré? “Não há”, assume Milene Piló. Estranhamente, o maior viveiro de jogadores de futebol de praia não tem jogadoras. “Não temos no concelho equipas femininas de futsal e futebol de 11. Há duas jogadoras, mas jogaram nos seus clubes”, explica a responsável d’“O Sótão”, desejando que apareçam no futuro mais equipas, na Nazaré e não só.

“Só agora é que [a nível nacional] começaram a olhar para as meninas no futebol de praia”, lembra Milene Piló, que já pensa nos próximos desafios. “Agora é não parar. Desde que haja campeonato, vamos lá estar”, promete a diretora. A ambição é que surjam mais equipas para a modalidade crescer, “até que haja um campeonato de elite”.

Dois atletas da região no mundial

André Lourenço e Ruben Brilhante, atletas da região ao serviço do Sporting de Braga, vão representar Portugal no mundial de futebol de praia que se disputa na Rússia, de 19 a 29 de agosto. Os dois atletas integram a convocatória da equipa nacional que vai procurar revalidar o título de campeão do mundo conquistado em 2019. Portugal defronta na primeira fase o Senegal, Uruguai e Omã. Os dois primeiros do grupo passam aos quartos-de-final.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.