Assinar


Pombal

Pombal quer acabar com habitação indigna onde vivem 295 famílias

Os 295 agregados familiares identificados em condição habitacional indigna abrangem um total de 628 pessoas.

foto de ponte sobre o rio Arunca no centro de Pombal

A Câmara de Pombal quer acabar com a habitação indigna no concelho, aquela que apresenta insalubridade e insegurança, precariedade, sobrelotação ou inadequação, e onde vivem 295 famílias, anunciou hoje o município.

Numa nota de imprensa, a autarquia refere que a Assembleia Municipal aprovou a Estratégia Local de Habitação de Pombal, documento que “prevê a eliminação das situações de habitação indigna no concelho, que abrangem 295 agregados familiares”.

A elaboração do documento começou “com um diagnóstico através de um processo participado pelos diversos atores sociais do concelho, tendo-se verificado um trabalho conjunto entre o município, as comissões sociais de freguesia e interfreguesias e o Instituto da Segurança Social”, explica a nota.

“Nesta fase do processo, foram identificados 295 agregados familiares em condição habitacional indigna, abrangendo um total de 628 pessoas. Destas, 414 encontram-se com condição habitacional precária, 127 em insalubridade e insegurança, 49 em sobrelotação e 38 em inadequação”, adianta.

Já na fase de elaboração da Estratégia Local de Habitação, “foi dada continuidade ao processo de construção participado, voltando a contar o apoio das comissões sociais de freguesia e interfreguesias, tendo sido realizadas reuniões individualizadas com cada uma das 13 juntas de freguesia, com vista à identificação de soluções habitacionais adequadas que pudessem existir em cada uma das freguesias”.

O Município de Pombal sustenta que “a Estratégia Local de Habitação está focada nos agregados financeiramente carenciados a viver em condições indignas, cujo principal objetivo é o acesso a uma solução habitacional adequada, financiada através do 1.º Direito”.

O 1.º Direito é um Programa de Apoio ao Acesso à Habitação que visa apoiar a promoção de soluções habitacionais para pessoas que vivem em condições habitacionais indignas e que não dispõem de capacidade financeira para suportar o custo do acesso a uma habitação adequada, refere o sítio na Internet da iniciativa governamental.

A Estratégia Local de Habitação “é um mecanismo fundamental para a candidatura do município ao 1.º Direito”, acrescenta a autarquia.

“Não obstante a efetiva necessidade de atuar com urgência nas situações limite, há a considerar um grupo considerável da população que, não sendo considerado financeiramente carenciado, por força da atual realidade do mercado imobiliário não consegue aceder a uma habitação condigna”, salienta.

Segundo a nota de imprensa, “o documento considera como um dos grandes problemas identificados, no que concerne à habitação no concelho, a falta de oferta de habitação com rendas acessíveis, o que dificulta de forma substancial o acesso dos agregados a uma habitação condigna e adaptada às suas necessidades e características”.

À agência Lusa, o presidente da Câmara de Pombal, Pedro Pimpão, admitiu ter ficado surpreendido com o diagnóstico, reconhecendo que “deu para ter perfeita noção das condições das casas”.

“Não há dúvida de que a habitação é um direito fundamental e é uma obrigação de todos contribuir para a melhoria das condições de vida da população. Este é um instrumento que temos à disposição para ajudar as pessoas que precisam de ter uma habitação digna”, continuou.

Pedro Pimpão esclareceu que o passo seguinte é reunir-se com o Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana para ver que financiamentos existem para “começar a fazer intervenções que respondam às necessidades identificadas nessa estratégia”.

Por outro lado, o autarca reconheceu que o “mercado de habitação do concelho é pouco dinâmico e precisa de ser mais estimulado”, considerando o documento agora aprovado como “relevante para aumentar a oferta de habitação em Pombal”.

“Vamos agora avaliar, com os programas que existem, no sentido de encontrar mais habitação e para que o mercado de arrendamento seja mais flexível e com valores mais suportáveis pelas famílias”, declarou Pedro Pimpão.

Inquérito de satisfação aos leitores

Com este inquérito, o REGIÃO DE LEIRIA tem por objetivo conhecer a opinião dos leitores e melhorar o serviço que presta. Para esse fim, pedimos 5 minutos do seu tempo para responder a um questionário.