Assinar
Fátima

Ucranianos rezam em Fátima pelo fim da guerra

Na homilia da peregrinação internacional aniversária, o presidente da celebração, D. Edgar Peña Parra fez uma alusão à paz. Já no final da celebração, na palavra aos fiéis, o bispo de Leiria-Fátima, D. José Ornelas fá-lo-ia também.

A poucos dias de completar 48 anos, Sergiy Zayika cumpriu mais uma peregrinação a pé a Fátima. Cinco dias de viagem, desde Lisboa, pelos Caminhos do Tejo, até integrar o grupo de bandeiras dos diferentes países e estandartes cujo cortejo percorreu o recinto do Santuário de Fátima, até ao altar, logo no início da celebração da Eucaristia. Desde 2014, que o engenheiro mecânico se põe a caminho, sempre acompanhado da bandeira do seu país, onde estão gravadas a caneta, as datas da sua peregrinação a pé. Vive em Portugal há 22 anos, usa camisa azul e boné preto com brasão da Ucrânia, enquanto o filho, já nascido em Portugal, enverga uma t-shirt amarela.

Neste ano, a bandeira e o seu país, a Ucrânia, são foco da atenção do mundo. Mas – sublinha – é a terceira vez em cem anos. A primeira, em 1933, “o povo morreu em silêncio”. Depois em 2014. Agora, “são vocês (comunicação social) que chamam a atenção e isso não fica esquecido”, agradeceu.

Sergiy, acompanhado da esposa Natalyia e do filho David, de 10 anos, rezaram pelo fim da guerra e “pelos militares Azov”. “Que Nossa Senhora também nos proteja”, frisa.

A sua família, apesar da guerra, mantém-se no país. Os pais “não querem sair”. Ou melhor, “o meu pai não quer sair da sua terra e a minha mãe não o deixa sozinho”. Já os outros familiares mais novos “receberam armas” e estão nas respectivas localidades. Faltam informações mais concretas, revela, que os parentes não dão, por razões de segurança.

Natalyia Shumeyko, 44 anos, fala diariamente com a mãe, que nos primeiros dias de conflito saiu de Kryvyi Rih, também a cidade natal do presidente Volodymyr Zelensky e se refugiou noutra aldeia.

Neste 13 de Maio, o pequeno David tinha uma missão muito concreta: entregar a Nossa Senhora dinheiro que encontrou caído no chão, 105 euros, quando foi ao cinema ver o filme “Fátima”.

Na homilia da peregrinação internacional aniversária, o presidente da celebração, D. Edgar Peña Parra fez uma alusão à paz. Já no final da celebração, na palavra aos fiéis, o bispo de Leiria-Fátima, D. José Ornelas fá-lo-ia também. A bênção da imagem de Nossa Senhora que agora seguirá para Lviv, na Ucrânia, foi muito aplaudida pelos fiéis, 170 mil aqueles que estiveram presentes no recinto do Santuário de Fátima.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.