Assinar
Cultura

Caranguejeira ganha primeira biblioteca comunitária do concelho

Localizada na sede do Instituto Jovens Músicos, na aldeia de Caldelas, a Biblioteca Comunitária Francisco Rodrigues Lobo conta com 1100 livros.

A Biblioteca Comunitária Francisco Rodrigues Lobo inaugurou esta segunda-feira, dia 28 MV

Miúdos e graúdos da Caranguejeira têm agora à disposição uma biblioteca comunitária na sede do Instituto Jovens Músicos, na aldeia de Caldelas.

A criação do espaço surgiu da vontade da população e do instituto durante o período de pandemia, numa fase em que a solidão era cada vez mais sentida pelas pessoas da Caranguejeira, explicou Felisbela Marques, dirigente do Instituto Jovens Músicos (IJM), frisando que as pessoas pediram “para voltar a fazer a união através dos livros”.

Cerca de um ano depois de ter sido lançada a ideia, o resultado da ambição do instituto e do contributo de habitantes e de algumas empresas locais está à vista de todos, com o nome de Biblioteca Comunitária Francisco Rodrigues Lobo, inaugurada ontem, dia 28.

O momento de abertura oficial ao público, na semana em que se comemora o Dia Mundial das Bibliotecas, contou com a presença da presidente da Junta de Freguesia da Caranguejeira, Oriana Cristóvão, e da vice-presidente da Câmara de Leiria, Anabela Graça.

Para a vereadora da Câmara de Leiria com os pelouros da Cultura e da Educação, esta biblioteca comunitária, que é a primeira do género a surgir no concelho, é “um serviço muito importante” que o IJM “está a prestar à comunidade”, sobretudo por permitir que a antiga escola esteja novamente aberta para receber os habitantes, mas agora “com livros”.

Anabela Graça frisou ainda o compromisso que a autarquia assume de ajudar a tornar a “biblioteca viva” e um exemplo para o concelho. “Não queremos uma estante com livros, queremos uma sala com pessoas, atividades, um programa mensal, que haja dinâmica na promoção do livro e da leitura”, sublinhou.

Esta é “uma biblioteca onde se contam histórias, onde há memória. E essa memória tem de passar para os mais pequenos, que vão assistir a algumas sessões da hora do conto [a título exemplificativo]”, realçou.

O nome do espaço cultural também suscitou o parecer positivo da vereadora, que destacou o facto de ser “um sinal, que estamos a dar, da importância de valorizar a cultura, a literatura e a poesia”. Quatrocentos anos após a morte de Francisco Rodrigues Lobo, o poeta “continua a marcar através da poesia, e muita poesia vai ser lida e escrita aqui dentro”.

Atualmente, a biblioteca conta com 1100 livros, desde o género infantil a obras de marketing, e o expectável é que alcance os 2 mil até final de julho, indicou Felisbela Marques.

Como forma de proporcionar a leitura junto de todos, três alunos do Instituto Jovens Músicos – Simão, Lucas Galhispo e Lucas Barbosa – voluntariaram-se para levar livros a quem não consiga se deslocar à biblioteca. A iniciativa vai arrancar no início do próximo ano letivo e a intenção é que o trio faça as entregas às quartas-feiras à tarde, de bicicleta. Esta ideia surge também como uma forma de promover a interação entre diferentes gerações, evidenciou Jorge Barbosa, dirigente do IJM.

Para quem tenha livros em casa e queira doar, pode fazê-lo diretamente ou entrando em contacto com o Instituto Jovens Músicos.

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é assinante, entre com a sua conta. Entrar

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos relacionados

Subscreva!

Newsletters RL

Saber mais

Ao subscrever está a indicar que leu e compreendeu a nossa Política de Privacidade e Termos de uso.

Artigos de opinião relacionados