Assinar
Cultura

Exposição de fotografia de rua mostra rugas dos habitantes de Alqueidão da Serra

“O projeto ‘Dar voz à idade’ foi pensado para valorizar as pessoas que, afinal, nos construíram, nos criaram no contexto da aldeia”

Para a produção da exposição, a cargo da fotógrafa Ana Rodrigues, percorreram-se os lugares da freguesia (Fotos: JF Alqueidão da Serra)

Um alerta para a importância de valorizar os mais velhos é o objetivo da exposição de fotografia de rua que, desde sábado, dia 30, está no centro da freguesia de Alqueidão da Serra, em Porto de Mós.

Ao todo, foram fotografadas 67 pessoas com mais de 85 anos, naturais de Alqueidão da Serra, que estão representadas em 20 painéis espalhados pelo centro da aldeia, num projeto da Associação Alecrim e Salva.

“O projeto ‘Dar voz à idade’ foi pensado para valorizar as pessoas que, afinal, nos construíram, nos criaram no contexto da aldeia”, explicou Helena Batista, presidente da associação.

A exposição de fotografia evidencia “os rostos, as rugas, o aspeto dessas pessoas”, algo que “nem sempre é valorizado”.

“Quando olhamos para os rostos dos idosos, aquelas rugas têm um contexto e uma história que deve ser contada e valorizada”, frisou Helena Batista, admitindo a intenção de “chocar um pouco as pessoas, para as levar a pensar no que valorizarmos hoje em dia. Se calhar, não é o melhor, nem o mais importante. Temos de pensar mais no ser humano”.

Para a produção da exposição, a cargo da fotógrafa local Ana Rodrigues, percorreram-se os lugares da freguesia, como Casais dos Vales, Covão de Oles, Casal Duro ou Bouceiros.

“Fotografámos todas as pessoas com 85 ou mais anos. Foram muito poucos os que ficaram de fora”, notou a presidente.

Mesmo antes da inauguração da exposição, o processo já conseguiu atingir vários dos objetivos iniciais.

“Queremos dizer que apreciamos essas pessoas, as suas rugas, seja lá de que forma for. Acho que isso já aconteceu, porque nos encontros [para as fotografar] notava-se a felicidade por serem convidadas e fotografadas. Sentimos essa alegria e isso, por si só, já está ganho”, afirmou Helena Batista.

Em Alqueidão da Serra, uma aldeia que, “como outras do país”, rejuvenesce aos fins de semana e nas férias com o regresso dos mais jovens, mas cuja população do dia-a-dia é notoriamente envelhecida, espera-se que a exposição de rua leve “a pensar nas vidas que ali estão”.

“Esperamos que, a partir daqui, isto faça as pessoas pensar”, de modo a “darem mais valor aos seus familiares [mais velhos], para os quais muitas vezes não temos tempo. Queremos ajudar a valorizar esse património humano que ainda existe: as pessoas com mais idade”, concluiu Helena Batista.

A exposição “Dar voz à idade” surge no âmbito da missão da associação criada em 2019. Alecrim e Salva tem realizado campanhas de limpeza e embelezamento de Alqueidão da Serra e promovido a projeção de filmes no auditório local, uma forma de “as pessoas se sentirem bem no contexto da rua” e ir ao encontro da população com mais idade que está mais isolada.

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é assinante, entre com a sua conta. Entrar