Assinar
Marinha Grande Exclusivo

Família de escultor “usada” na defesa de duas posições opostas

Câmara quer monumento na lateral da rotunda. Movimento reclama que permaneça na rotunda. As duas partes argumentam que defendem a posição da família do autor da estátua

Monumento tem estado na rotunda e é aí que, no passado, é assinalada a revolta de 18 de janeiro de 1934 Foto de Arquivo

A decisão está tomada e não vai voltar atrás. As pretensões do Movimento Cívico que reclama a manutenção do monumento evocativo do 18 de janeiro de 1934 no centro da rotunda da praceta do vidreiro, na Marinha Grande, não vão ser acolhidas pela maioria que governa o município.

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos relacionados

Subscreva!

Newsletters RL

Saber mais

Ao subscrever está a indicar que leu e compreendeu a nossa Política de Privacidade e Termos de uso.

Artigos de opinião relacionados