Assinar Edições Digitais

Identidade e território: Religião – uniformização

Identidade, outrora uma palavra tão cheia de significado, é hoje apenas uma sombra do que já foi.

João Forte, geógrafo físico jfortegeo@sapo.pt

Identidade, outrora uma palavra tão cheia de significado, é hoje apenas uma sombra do que já foi. Os culpados são muitos, mas o principal é aquele que tem reduzido um mundo de identidades a um mundo de uma só identidade, chapa 5. O capitalismo que acaba, no final, por promover uma globalização cega, torna-nos vulneráveis e, aí, acabamos por nos tornar meras marionetas nas mãos de grandes interesses económicos, predatórios, sem face nem morada. Da cultura à pressão, da comida industrial até aos comportamentos estandardizados é um passo e quando vamos a ver, o mais longínquo lugar da Terra tornou-se igual a outros mais. Desaparecem aquelas especificidades que nos deram uma identidade diferente de outros mais e que tornaram este planeta único. Perdem-se elementos fundamentais para o enriquecimento da identidade de cada um de nós.

Quanto ao Território, o mesmo se passa, pois este tem-se tornado igual de lés a lés. Desde que uma grande empresa queira, quase todos se vergam ao poder transformador desta. As paisagens têm sofrido, pois muitas transformações ocorridas não são para melhor, mas sim para o melhor da cotação da empresa cotada em bolsa. Empresas multinacionais que têm mais poder que um governo. Basta um molho de notas para uma empresa garantir o apoio para um projecto, mesmo sendo ele lesivo para um território valioso. Que futuro?

Escrito de acordo com a antiga ortografia

(texto publicado na edição de 11 de julho de 2013)