Assinar
Rosto de Francisco Rebelo dos Santos

Francisco Rebelo dos Santos

Diretor do REGIÃO DE LEIRIA

francisco.r.santos@regiaodeleiria.pt

Só para homens

A corrida à Câmara de Leiria, o maior município da região, mobiliza nove candidaturas. São todas lideradas por homens. É deste universo que vai sair o próximo presidente da Câmara Municipal de Leiria.

A ação política deve ser reformista e inclusiva, mobilizadora da sociedade e exemplo de boas práticas. Infelizmente, são muitos os casos onde a prática política é o contrário do que devia ser.

Quem olha para os candidatos às autarquias vê um mundo dominado por homens, enraizado em máquinas partidárias controladas por sindicatos de votos. Falta democracia e escasseia a transparência.

O mais espantoso é a sociedade encolher os ombros frente a uma realidade tão injusta e retrógrada. Falamos tão alto para reclamar direitos, mas fazemos tanto silêncio perante uma sociedade patriarcal, que coloca num patamar de inferioridade mais de metade das pessoas.

A desigualdade de género na escolha dos candidatos expressa-se de duas formas: o número de mulheres nas listas é muito inferior ao dos homens e muitíssimo menor no que diz respeito aos nomes escolhidos para presidir a câmaras, assembleias de freguesia e assembleias municipais.

Os homens que controlam os partidos deviam ter vergonha ou pudor, mas a ambição pessoal fala mais alto. A lei das quotas ainda garante alguns lugares ao universo feminino, mas é incapaz de assegurar igualdade na escolha dos candidatos a presidente. 

A corrida à Câmara de Leiria, o maior município da região, mobiliza nove candidaturas. São todas lideradas por homens. É deste universo que vai sair o próximo presidente da Câmara Municipal de Leiria. Os partidos com maior representação também apostam em homens para a Assembleia Municipal.

Nas listas de candidatos à liderança, das outras câmaras da região, o domínio masculino é igualmente avassalador, o mesmo acontecendo com os restantes órgãos autárquicos desses concelhos.

Se esta é a realidade que temos, apesar de uma lei de quotas insuficiente, imagine-se onde estaríamos se o poder dos líderes partidários não conhecesse limites.