Num antigo lagar de azeite e moinho de água, a gastronomia expressa-se em receitas do imaginário nacional, mas abre espaço também para a assinatura do chef Pedro Sorabando. Exemplo disso – e anunciado como preferido do mestre da cozinha – é o folhado de faisão. Vinda do mar, a torre de bacalhau com broa no forno contrasta com a globalização que pode vir ainda em versão de pato confitado com puré de batata doce e castanhas e molho de frutos vermelhos. O apoio da variada garrafeira, entretanto, serve ambos os conceitos, com direito a vista privilegiada para o rio Lis.