Assinar Edições Digitais
Cultura

O lusofone de Sérgio Carolino é “estrela” no arrante do festival do Valado

Um instrumento chamado lusofone, uma mistura de tuba com sousafone, criado especificamente para o músico Sérgio Carolino, vai ter a sua estreia mundial hoje, no Festival de Jazz de Valado dos Frades.

Um instrumento chamado lusofone, uma mistura de tuba com sousafone, criado especificamente para o músico Sérgio Carolino, vai ter a sua estreia mundial no Festival de Jazz de Valado dos Frades, na Nazaré, que começa hoje, 7 de Maio.

A primeira audição pública do novo instrumento de sopro ocorrerá no concerto de abertura do festival, a cargo do grupo The Postcard Brass Band, de que faz parte o músico.

Construído nos Estados Unidos da América, o lusofone “dá um som diferente ao grupo”, explica Sérgio Carolino, a ponto do instrumento ter sido baptizado de “Lúcifer”, “devido ao seu som terrífico”.

“O som deste instrumento é entre o sousafone e a tuba. Faz lembrar um baixo eléctrico em que se sente mais ataque. Tem uma função de baixo muito poderosa”, descreve o músico.

Peça única, o lusofone foi criado pelos construtores de instrumentos Tim Sullivan e Harold Hartman, de acordo com as características e indicações de Sérgio Carolino.

“Eu vi um instrumento baseado num tubista inglês, Oren Marshall, e fiquei com a ideia de fazer algo deste género, mas um pouco diferente”.

Por isso idealizou o lusofone, com uma campânula para a frente, afastado do corpo, assente no chão, de forma a que “ficasse com o campo de visão completamente descoberto”, para permitir maior liberdade, e “outra projecção do som”.

O instrumento é protagonista no novo disco dos The Poscard Brass Band, a lançar no final de Julho. “Por causa do lusofone, o quarteto parece mais um quinteto”, brinca Sérgio Claro, que descreve o novo disco como “algo completamente diferente do que a banda fez até agora”.

O CD “chama-se ‘Pop’n’roll’ e tem originais nossos, um fado da Amália, temas do Henry Mancini e Wayne Shorter… ‘Estragámos’ os temas todos para fazer ska, rock, drum’n’bass e surfing rock”, explicou o músico.

O festival de Valado dos Frades, pensado para ser uma proposta anti-crise a partir do jazz, mantém a aposta nos novos valores.

“Queremos que o jazz vá contra a crise. Por isso este é um festival anti-crise, com bilhetes baratos e muitas propostas novas”, explica o director, Adelino Mota.

Depois dos The Poscard Brass Band, actuam o Septeto do Hot Club (8 de Maio), Big Band da Nazaré (9 de Maio), GS Quartet (14 de Maio), Flajazzados (15 de Maio), Ensemble Escola Luiz Villas-Boas (16 de Maio), Unsung Cats (21 de Maio) e Maria Anadon Latin Quartet (22 de Maio).

“É uma programação bastante heterogénea, com músicos que merecem ser promovidos. Os outros festivais não arriscam, nós apostamos em coisas novas que ninguém viu”, conclui Adelino Mota.

The Postcard Brass Band ao vivo na discoteca Lux: