Quando se encontram na rua é inevitável. Depois do “Olá. Tudo bem?”, recordam os dias que passaram juntos nas férias de verão. Estudavam em diferentes escolas, diferentes cidades. Mas terminadas as aulas, era tempo de preparar os (loucos) dias que se avizinhavam.

É com esse objetivo que, hoje, trabalham dezenas de entidades para organizar atividades, com desporto à mistura, e alegrar crianças e jovens que precisam de ocupar os tempos livres, enquanto os pais trabalham.

Mas vamos viajar no tempo. O Académico de Leiria foi das primeiras instituições da região a organizar campos de férias. Entre julho e agosto, mais de 300 jovens frequentavam as atividades. Peniche foi o primeiro local, em 1980.

“De manhã, as atividades eram dedicadas à água, na praia ou barragens. De tarde, estavam ocupados com prática desportiva e à noite havia sempre lugar para a representação, música e dança. Os campos eram intensos. Não tenho dúvida que aquelas atividades deixaram marca”, lembra Luís Pinto, presidente da Associação de Solidariedade do Académico de Leiria (ASAL), como agora se define o Académico.

A família do Académico é extensa. No Facebook, o grupo “Participantes de Campos de Férias do Académico de Leiria” conta com 168 membros e muitas fotografias.

Leia mais nas páginas 26 e 27 da edição de 29 de junho de 2012.

Marina Guerra
marina.guerra@regiaodeleiria.pt