Assinar Edições Digitais
Cultura

Centro Cívico de Leiria abre em setembro para homenagear Eça de Queiroz

O Centro Cívico de Leiria vai abrir ao público em setembro, tendo como principal missão homenagear Eça de Queiroz e outros escritores que nasceram e viveram na cidade.

O Centro Cívico de Leiria, edifício de linhas modernas construído no centro histórico, vai abrir ao público em setembro, tendo como principal missão homenagear Eça de Queiroz e outros escritores que nasceram e viveram na cidade.

Centro Cívico de Leiria abrirá de segunda a sábado, das 15 às 18 horas

A intenção foi revelada em nota à imprensa pelo vereador da Cultura da Câmara de Leiria, Gonçalo Lopes, que vê o edifício, localizado na Rua Barão Viamonte, ou rua Direita, como “um espaço de homenagem a Eça de Queiroz” e “o pilar estratégico para afirmação de Leiria como terra de escritores”.

Para esse fim, a autarquia celebrou um acordo com uma associação cultural, a Sempreaudaz, liderada por Helena Carvalhão, da Academia Sénior.

No Centro Cívico, a sala Eça de Queiroz ficará à responsabilidade da Câmara, que a utilizará como ponto de partida para a recém lançada Rota dos Escritores de Leiria.

As outras salas ficarão à responsabilidade da Sempreaudaz, que garantirá a abertura ao público do Centro Cívico de segunda a sábado, das 15 às 18 horas.

A associação dinamizará as salas São Joanina, que será a receção, Padre Amaro, para formação, e Luís Serra, que terá a valência de espaço de artes.

No âmbito do protocolo entre as entidades, a Sempreaudaz tem ainda de desenvolver ações de caráter formativo destinadas a público da idade maior e promover ações culturais e formativas difusoras da cultura, em especial da escrita, do património e das artes, destinadas a todos os públicos, que integrarão o “Programa de Dinamização Cultural do Centro Cívico”.

Esse programa decorrerá pelo menos dois dias por semana – sendo um deles o sábado -, ficando a associação ainda comprometida a colaborar na promoção da vida e obra de Eça de Queiroz, nomeadamente com a Fundação Eça de Queiroz, para a qual deverá reservar um espaço destinado à divulgação dos seus produtos.

Segundo o vereador da Cultura, a escolha da Sempreaudaz para dinamizar o Centro Cívico decorre da proposta da associação contemplar atividades com idosos no espaço, aspeto que foi determinante para a aprovação da construção do Centro Cívico no âmbito do PALOR.

Da autoria do arquiteto Gonçalo Byrne, o Centro Cívico e respetiva praça pública custaram 900.373,60 euros: 719.456,32 euros foram financiados por fundos comunitários, 41.276,74 euros pelo Orçamento do Estado e 139.640,54 euros pelo município de Leiria.