Do “menu” da tarde de sábado na Biblioteca Municipal, uma proposta se destacava: “O fim do mundo está para breve?”. Atraídas pelo bizarro tema em debate ou genuinamente preocupadas com o aproximar do dia 21 de dezembro de 2012 – que alguns defendem ser a profecia Maia sobre o Apocalipse -, 80 almas junta­ram-se para ouvir o astrónomo Carlos Oliveira colocar tudo em pratos limpos.

“A noção de fim do mundo esteve sempre presente no imaginário coletivo. Mas ninguém sabe qual é a data do fim do mundo”. Até porque, quando acontecer, a nossa extinção levará muitos anos e o fim dos dinossauros está aí para o provar.

Carlos Oliveira: “Há pessoa que se matam ou matam outros devido a isto [as profecias do fim do mundo]. E isto é que é o verdadeiro perigo” (foto: Leo Abrantes)
“A extinção não é algo de extraordinário. Já houve várias extinções em massa” e nenhuma delas aconteceu num só dia, sublinhou Carlos Oliveira. Quanto à “profecia Maia”, o astrónomo nota que “os Maias procuravam provas de continuidade e mais nada. Nós é que pensamos em fim do mundo”.

Mas para quem procura um fim, há algumas hipóteses. “Até 2029 não se preocupem”, descansou Carlos Oliveira, revelando, contudo, que, “numa sexta-feira 13 de 2029, o asteróide Apophis vai passar mais perto [da Terra] que os nossos satélites. E volta em 2036 e pode bater aqui. Também numa sexta-feira 13…”, ironizou.

Na Nazaré, o primeiro encontro presencial da Comunidade Céptica Portuguesa saldou-se pelo êxito. “O facto de o auditório ter estado praticamente cheio e, mesmo após cinco horas de palestras, ainda estar composto, é uma grande satisfação e sinal de que há público na região para este tipo de eventos”, refere Cláudio Tereso da organização.

Conhecimento e humor cruzaram-se na vila, que, no futuro, pode voltar a contribuir para desmistificar temas como o fim do mundo, iogurtes milagrosos, Viriato ou mesmo o orgasmo global: um movimento que defende um clímax sexual sincronizado à escala mundial em prol da paz na Terra.

(Notícia publicada na 9 de novembro de 2012)

Manuel Leiria
manuel.leiria@regiaodeleiria.pt