Assinar
Mercado

Empresa de Caldas da Rainha exporta um milhão de rações de combate

O Ministério do Interior de Angola é o principal cliente das rações de combate comercializadas pela Consercaldas. Este ano, a empresa de Caldas da Rainha exportou um milhão de unidades para aquele país, mas também para Moçambique e Guiné.

O Ministério do Interior de Angola é o principal cliente das rações de combate comercializadas pela Consercaldas. Este ano, a empresa de Caldas da Rainha exportou um milhão de unidades para aquele país, mas também para Moçambique e Guiné.

As rações militares representam 10% da faturação anual da Consercaldas, que fornece refeições prontas em lata, doces de fruta, condimentos para restauração e cabazes de natal, entre outros produtos.

Segundo Mário Loureiro, major do Exército reformado e sócio-gerente da empresa, a Consercaldas é herdeira da atividade da FA Caiado, uma sociedade que explorava a marca Frami e vendia rações de combate às forças armadas portuguesas durante a guerra colonial.

Depois do 25 de Abril de 74, com o fim das operações militares no Ultramar, foi necessário procurar outros mercados. Angola, que Mário Loureiro conhecia bem, surgiu naturalmente. As relações comerciais mantêm-se até hoje, com o Ministério do Interior angolano a receber 95% da produção em 2012.

A Consercaldas tem capacidade instalada para entregar 20 mil caixas por dia – atualmente chamadas rações frias – e por isso pretende expandir os negócios noutros países africanos.

Leia a notícia completa na edição de 3 de janeiro de 2013. Pode adquiri-la online aqui.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.