A indústria de moldes está a contratar profissionais para diversas áreas, sobretudo engenheiros e outros trabalhadores qualificados.

O cenário é partilhado por diversas empresas e traduz o volume de encomendas que estão a chegar ao sector, colocadas por clientes internacionais.

O Grupo Socem (Martingaça, Alcobaça) é um dos que prevê aumentar o número de postos de trabalho em 2013, com 20 novos colaboradores nas empresas SPIM e Socem MS.

No Grupo TJ Moldes, o acréscimo relacionado com investimentos ao abrigo do QREN, nos próximos meses, é de 15 postos de trabalho. Outro exemplo, de menor dimensão: a Enpromoulds deverá aumentar o número de trabalhadores de 15 para 20, ao longo do ano.

Num artigo divulgado há dias pelo jornal i, a partir da agência Lusa, empresários e dirigentes associativos ligados à produção de moldes explicam que a indústria de moldes tem mesmo carência de mão-de-obra qualificada na área da engenharia.

Segundo João Faustino, presidente da associação CEFAMOL, há vagas sobretudo em engenharia, desde a área de projeto, passando pela maquinação até aos acabamentos e plásticos.

(Notícia publicada na edição de 24 de janeiro de 2013)