Assinar
Desporto

Pédatleta. Há uma corrida que os une todas as quartas-feiras

Recorrem ao passa-a-palavra e ao Facebook para divulgar o Brisas do Lis Night Run e são cada vez mais a correr e a andar, sem compromisso, nas quartas-feiras de Leiria.

É num ambiente muito descontraído que mais de uma centena de pessoas se concentra todas as quartas-feiras na praça Rodrigues Lobo, em Leiria.

Do nada, a praça começa a encher com pessoas de todas as idades e pontos da região. Querem divertir-se enquanto andam e correm no centro de Leiria.

A ideia surgiu depois de um grupo do NEL Pédatleta participar na Scalabis Night Run, em Santarém. Adotou a ideia e transportou-a para Leiria. Agora, todas as quartas-feiras, pelas 21h30, um grupo de pessoas que gosta de correr, ou caminhar, põe em ação a Brisas do Lis Night Run.

“Acontece tudo de forma muito informal, com o objetivo de trazer mais praticantes a uma atividade que lhes dá muito prazer”, conta Luís Subtil, um dos elementos da organização surpresa com uma elevada adesão.

Por enquanto, o número de aderentes é “gerível” mas, se evoluir, equacionam-se outros dias e outros grupos.

“É uma boa forma de sair de casa e aliviar o stress. Mesmo que não se conheça ninguém, há sempre um grupo à nossa espera”, diz Rosário Barros, uma presença frequente no grupo de corrida.

Faz-se acompanhar pelo Trincas, o cão, e procura um “convívio gratuito e informal sem carácter competitivo”.

Aproveita para praticar exercício e desanuviar. O convívio dura uma hora e, para que ninguém se perca, tem início sempre na praça no centro da cidade à mesma hora.

O número de participantes tem aumentado de semana para semana. Dia 5 de junho atingiu as quatro centenas (fotografia: Joaquim Dâmaso)

Um “speaker” chama o grupo, deixa pequenas dicas e lança um desafio: “Se estão em dúvida quanto ao grupo que vão escolher, caminhada ou corrida lenta, arrisquem na corrida. Vocês conseguem”.

O grupo parte a pé, em conjunto, até ao Terreiro, com passagem pela Sé de Leiria e a rua Direita. Depois, divide-se em três – caminhada, corrida lenta e corrida rápida – e cada um segue o seu trajeto, que varia entre os 5 e os 12 km.

Os percursos não estão definidos, são criados no momento, ao gosto do guia (elemento que segue na frente do grupo). Existe apenas um ponto de passagem (quase) obrigatório: a Igreja de Nossa Senhora da Encarnação.

“É o ponto alto na corrida. Chegar lá acima é um orgulho e uma conquista. Para quem o faz pela primeira vez e para quem semanalmente participa”, refere Luís Subtil. No cimo, há tempo para recuperar energias, beber um pouco de água, pôr a conversa em dia entre alongamentos e planear o regresso.

A competição fica fora desta “convocatória” e a corrida também não serve para treino de “trail”. “Vamos correr ou caminhar, com bom ambiente e espírito para que todos completem a volta a um ritmo razoável”, explica.

No final, todos voltam à praça, o local de partida. Daquela noite e… de todas as quartas-feiras, pelas 21h30.

(Reportagem publicada na edição de 16 de maio de 2013)

Veja a fotogaleria aqui.

Marina Guerra
marina.guerra@regiaodeleiria.pt

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.