Assinar
Sociedade

Empresário regista Lapedo como marca e proíbe uso

O administrador da empresa Empreendimentos Turísticos do Lapedo registou as expressões “Vale do Lapedo”, “Menino do Lapedo” e “Abrigo da Lagar Velho” e proíbe “qualquer publicação”.

O administrador da empresa Empreendimentos Turísticos do Lapedo (ETL) registou as expressões “Vale do Lapedo”, “Menino do Lapedo” e “Abrigo da Lagar Velho” como marca nacional e proíbe “qualquer publicação (…), sob a pena de cobrar valores respeitantes a publicidade”.

lapedo
Abrigo do Lagar Velho é Monumento Nacional desde 2013

A mensagem foi enviada para vários órgãos de comunicação regionais, na última semana, e vem acompanhada dos comprovativos de registo das marcas.

Classificado como Monumento Nacional desde maio de 2013, o Abrigo da Lagar Velho, em Santa Eufémia, é desde 1998 um local mundialmente conhecido pela descoberta arqueológica de um esqueleto de uma criança de 4 anos, sepultada há cerca de 24.500 anos.

O achado, situado num terreno do qual Adelino Rodrigues, administrador da ETL e da Tecofix, é proprietário, tor­nou-se, desde 1998, um polo de atração turística, com vários projetos desenvolvidos pela autarquia, universidades e promotores privados. Este deverá ter sido o motivo que estará na origem do registo das marcas, um processo anterior à classificação de Monumento Nacional.

Contactado pelo nosso jornal, o empresário escusa-se a falar sobre o assunto, justificando que os termos já estão registados há vários anos e “ninguém impede ninguém de falar do Lapedo, desde que se diga bem”. Sobre o facto de só agora divulgar esta informação, o empresário diz apenas que “publicações recentes” fizeram-no tomar esta posição e que “os achados estão em propriedade privada”.

O nosso jornal solicitou um esclarecimento à câmara de Leiria, mas até ao fecho desta edição, a autarquia não se pronunciou.

Monumento Nacional há mais de um ano

O Abrigo do Lagar Velho, na freguesia de Santa Eufémia, em Leiria, foi classificado como Monumento Nacional, a categoria máxima na classificação de bens culturais, há 14 meses.

Quinze anos após o pedido inicial de classificação, elaborado pela Câmara de Leiria, o processo de classificação ficou concluído, depois da indicação favorável à atribuição do estatuto ter saído em novembro de 2012

Marina Guerra
marina.guerra@regiaodeleiria.pt

(Notícia publicada na edição de 17 de julho de 2014)

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.