Select Page

Bonvida foi vendida e retoma laboração com ex-funcionários

Trabalhadores guardaram a fábrica durante anos para garantir reabertura Foto de arquivo: Joaquim Dâmaso

“Valeu a pena”, desabafa uma ex-funcionária da Bonvida – Porcelanas S.A, fábrica da Batalha, que fechou portas em 2011. Há quase sete anos que esperava pelo dia em que a fábrica reabrisse portas. E esse dia chegou na passada semana. Para trás ficaram anos de vigília em frente das instalações.

Em setembro de 2011, no centro do furacão da crise económica e financeira que sacudiu o país, cerca de 170 funcionários viram-se confrontados com o fecho da empresa que se dedicava ao fabrico de loiça e comercialização de produtos de mesa utilitários e decorativos. Seguiu-se o processo de insolvência.

Na altura, multiplicavam-se as notícias de empresas que fechavam portas. Mas em Pinheiros, a um par de quilómetros da vila da Batalha, havia um pormenor invulgar: durante anos, um grupo de funcionárias guardou noite e dia as instalações, na esperança de conseguir manter a fábrica apta a retomar a atividade. Tudo fazia crer que isso nunca iria acontecer, mas a empresa prepara-se para retomar a laboração. O improvável aconteceu.

A Vasicol, empresa sedeada em Moitalina, Porto de Mós, e que se dedica ao fabrico de vasos e artigos utilitários de mesa, sobretudo para exportação, adquiriu a unidade da Batalha. No início da semana passada, alguns funcionários preparavam já a abertura das instalações. Os responsáveis da Vasicol confirmam ao REGIÃO DE LEIRIA a aquisição, explicando que pretendem que a fábrica entre em funcionamento o quanto antes.

Foi há cerca de um ano que se iniciou o processo de compra que, contudo, só há poucos dias foi formalmente concluído. “Devemos agradecer às pessoas que guardaram as instalações e permitiram que estejam em condições para serem utilizadas”, refere um responsável da Vasicol. E acrescenta: “nós estamos agradecidos e todos os portugueses, devem estar-lhes agradecidos, pois é dinheiro dos contribuintes que se poupa”. Afinal, explica, assim é possível voltar a criar emprego e contribuir com impostos.

Fiel depositário da unidade fabril durante a insolvência, Horácio Moita Francisco, que também é vereador (CDS-PP) na Batalha, não esconde a satisfação pelo resultado conseguido: “há sete anos disse que a fábrica ia abrir e criei as condições para que abrisse”. A empresa, estima, poderá atingir ainda este ano os 120 postos de trabalho, integrando funcionárias que resistiram a 79 meses de espera por uma solução. Há muitas histórias por contar por quem teimou que o seu posto de trabalho não haveria de desaparecer. Mas as funcionárias que resistiram todo este tempo sem prestarem declarações públicas sobre o processo mantêm essa resolução. 

(Notícia publicada na edição do REGIÃO DE LEIRIA de 26 de abril e editada)

Carlos S. Almeida
Jornalista
carlos.almeida@regiaodeleiria.pt

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Siga-nos

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Pergunta da semana

A carregar

Defende a criação de Tribunais para julgar casos de violência doméstica?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Região de Leiria no Facebook

Subscrição de newsletter

Share This