Select Page

Jornal Presente Leiria-Fátima encerra no final de dezembro

A Diocese de Leiria-Fátima anunciou ontem o encerramento do jornal Presente, cujo último número será publicado a 27 de dezembro.

Num comunicado aos diocesanos, D. António Marto, bispo de Leiria-Fátima, justifica a decisão com o “pesado saldo negativo” que o jornal apresentou nos últimos cinco anos, “resultado dos inevitáveis encargos financeiros e das reduzidas receitas que conseguiu garantir”.

As iniciativas efetuadas, entre as quais uma campanha de assinaturas nas paróquias e a passagem da edição de semanal a quinzenal, não surtiram contudo o efeito desejado, refere D. António Marto, acrescentando que a Igreja não escapou à “inevitável mudança na comunicação” que tem sofrido “um grande processo de transformação com os novos meios tecnológicos para difundir notícias, artigos de opinião, análises e tomadas de posição sobre a realidade do nosso tempo”.

O Presente Leiria-Fátima surgiu há seis anos, após a fusão dos dois jornais eclesiais O Mensageiro e a Voz de Domingo, que, em 2006, quando D. António Marto chegou à Diocese “constituíam um pesado encargo económico difícil de sustentar”.

“Recordo que, desde os inícios da década de ’90, nos diversos órgãos diocesanos se questionava a existência de dois semanários numa diocese com poucos recursos como a nossa”, recorda, referindo ter nomeado, em 2012 uma comissão para avaliar a situação dos dois jornais e elaborar um plano de remodelação dos meios de comunicação da Diocese.

Ao criar o Presente, em maio de 2013, “estabeleceu-se um prazo de 5 anos para verificar se este novo órgão poderia ser financeiramente sustentável”. 

Embora tenha cumprido “claramente, no campo da comunicação, os objetivos que tinham sido assumidos” e prestado “um bom serviço à Diocese, através de uma imagem renovada e de conteúdos bem elaborados”, a Diocese reconhece no entanto não ser possível sustentar durante mais tempo “uma estrutura com um défice muito acima” do que consegue suportar financeiramente, face aos “elevados encargos associados à sua publicação”, à “queda de assinaturas”, ao “facto de se usar cada vez mais a informação digital” e à “atual situação financeira da Diocese”.

Assumindo que a decisão poderá afetar “uma determinada faixa de assinantes já habituados ao jornal ele”, D. António Marto adianta que “a comunicação passará a ser feita através dos meios digitais”, estando prevista “uma forma de informação que possa ser impressa em casa ou nas comunidades de modo a incluir nos destinatários aquelas pessoas que não têm acesso às plataformas de comunicação informática”.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

A Câmara Municipal da Marinha Grande deve comprar as piscinas de São Pedro de Moel?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Share This