Select Page

Hospital de Leiria multado por recusar exame a paciente com taxas moderadoras em dívida

Hospital de Leiria multado por recusar exame a paciente com taxas moderadoras em dívida

Um doente do Centro Hospitalar de Leiria foi impedido de realizar um exame que tinha sido solicitado pela sua médica, por ter o pagamento de taxas moderadoras em atraso.

O caso remonta a 2015, mas só agora foi tornado público, em consequência da divulgação de uma deliberação da Entidade Reguladora da Saúde (ERS), conhecida esta semana e que revela que ao CHL foi aplicada uma coima de 2.500 euros.

O doente denunciou a situação, no livro de reclamações do CHL em junho de 2015, e o caso teve agora uma decisão da entidade reguladora que lhe dá razão.

A médica assistente do doente em causa, em novembro de 2014, pediu a realização de uma broncofibroscopia com biópsia e sedação. Mas o Centro Hospitalar de Leiria (CHL) recusou a realização do exame em janeiro de 2015. E porquê? Argumentou que o paciente tinha taxas moderadoras em atraso, no valor de 80 euros.

As dívidas em causa, contudo, já tinham prescrito. É que o não pagamento de taxas moderadoras ao Serviço Nacional de Saúde prescreve ao fim de três anos da prestação de cuidados. E a dívida em causa reportava-se ao período compreendido entre 1995 e 2001.

O doente chegou, ainda assim, a pagar parte da dívida – 44,1 euros e mais 31,22 euros – mas o Centro Hospitalar de Leiria, em janeiro de 2017, avisou o utente que teria ainda 29,99 euros em falta por dívidas posteriores.

Entretanto, o termo de responsabilidade para autorizar a realização do exame, tinha já sido anulado em fevereiro de 2016.  E até à data da decisão da ERS, tomada em julho deste ano, mas apenas conhecida esta semana, o exame ainda não tinha sido realizado.

O regulador, que em junho deste ano determinou aplicar a coima ao hospital, entende ter existido “violação das regras relativas ao acesso aos cuidados de saúde, em concreto, violação do direito de acesso universal e equitativo à prestação de cuidados de saúde no SNS, por via da prática de rejeição infundada de um utente em estabelecimento de saúde do SNS”.

Ao REGIÃO DE LEIRIA, o CHL já assegurou que o doente continua a ser tratado, seguido e a realizar exames. Esclarece ainda que o procedimento na origem deste caso já foi revogado.

 

Nota: notícia atualizada às 16h11 com resumo da posição do CHL e respetivo link para a notícia que explicita os esclarecimentos da unidade hospitalar. 

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda que a Agência Mundial Antidopagem tenha proibido a Rússia, durante quatro anos, de participar em todas as competições desportivas globais?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo