Parque radical, jardim da Vala Real, jardim do Carpalho, jardim da Almuinha Grande e Foz do Lena​, em Leiria, são as cinco estações do Movida.polis Foto: CML

Um projeto, quatro dimensões. É assim que se apresenta a Movida – Plataforma de MOnitorização da atiVIDAde física, que o Instituto Politécnico de Leiria desenvolveu com os politécnicos de Tomar e de Castelo Branco, o Município e o Centro Hospitalar de Leiria (CHL), para promover a prática regular de exercício junto da população.

Hoje, quarta-feira, o projeto apresentou mais uma destas dimensões: Movida.polis, um programa de aconselhamento de atividade física à medida de cada utilizador.

Na realidade, tratam-se de cinco estações de treino disponíveis ao longo do percurso Polis, na cidade de Leiria, nomeadamente o parque radical, jardim da Vala Real, jardim do Carpalho, jardim da Almuinha Grande e Foz do Lena, em cada estação há uma placa identificadora onde pode ser feita uma leitura do QRcode para ter acesso ao programa de treino.

Para utilizar o programa é necessário fazer o download grátis da App MOVIDA.polis (disponível para IOS e Android) e, antes da primeira utilização, responder a um questionário, após o qual é sugerido pelo sistema o tipo de treino a realizar.

O utilizador pode iniciar o percurso em qualquer uma das estações e escolher os exercícios a realizar em cada uma delas. No fim do exercício ou no fim de cada estação é registado o seu desempenho através da frequência cardíaca e do nível de esforço sentido. Com a utilização continuada da App no percurso, o sistema vai fazendo novas recomendações, personalizadas, em função do histórico do desempenho do utilizador.

Segundo o investigador principal do projeto Movida, Rui Fonseca Pinto, “o Movida.polis nasceu da ideia de que era importante que nos locais identificados como locais de treino houvesse a possibilidade de, através de uma aplicação móvel, os praticantes ficarem com um registo da sua utilização do circuito, mas terem também acesso a recomendações sobre o programa de treino mais adequado para si, ou seja,  uma espécie de personal trainer”.

Para Gonçalo Lopes, presidente da Câmara Municipal de Leiria, só a especial conjugação de esforços entre o Município e o Politécnico de Leiria permitiram colocar em prática o Movida.polis. “Este projeto representa uma mais-valia para os residentes de Leiria que têm ao seu dispor uma ferramenta muito útil para escolher o modelo de exercício mais adequado às suas características”, disse. “A prática desportiva é consensualmente reconhecida como um dos fatores de maior importância para a promoção de uma vida de qualidade nas sociedades contemporâneas, onde os apelos ao sedentarismo são cada vez mais fortes”, afirmou, esta manhã, em Leiria, durante a apresentação da nova opção desportiva na cidade.

Além do Movida.polis, a plataforma digital contempla um interface de prescrição de exercício físico, com mais outra app para utilização em casa (Movida.domus) com ou sem apoio de profissionais de saúde e com monitorização dos cuidadores, e outras duas (Movida.eros e Movida.cronos) para doentes cardíacos ou com doença crónica, para utilizar no âmbito dos cuidados de saúde primários e secundários com prescrição e acompanhamento do médico ou enfermeiro.

Em Leiria, a aplicação sugere alguns exercícios em cinco áreas, sendo objetivo do município desenvolver a sua intervenção ao longo do Polis, no âmbito da futura requalificação do percurso.

MR/MG

Estação de treino na Foz do Lena Foto: MC