O novo quartel da GNR de Óbidos, um investimento de 1,2 milhões de euros que vai permitir retirar os militares do centro histórico da vila, já tem projeto aprovado, divulgou hoje a câmara.

O projeto base do novo posto territorial da GNR “foi aprovado por unanimidade em reunião do executivo”, informou a Câmara de Óbidos, que irá agora avançar com “o projeto de execução para dar início à empreitada”.

Citado num comunicado, o presidente da câmara, Humberto Marques (PSD), sublinha tratar-se de uma obra que “vai encurtar o tempo de socorro muito significativamente” pelo facto de o novo posto deixar de estar, como atualmente, “dentro do perímetro muralhado”.

Ainda segundo o autarca, o novo imóvel vai também “melhorar em muito as condições de trabalho e de conforto, e vai gerar capacidade para albergar um maior número de militares”.

A construção de um novo quartel da GNR na vila do distrito de Leiria foi formalizada em julho de 2019, com a assinatura de um contrato de cooperação interadministrativo entre a câmara, a Secretaria Geral da Administração Interna e a Guarda Nacional Republicana (GNR).

A obra representa um investimento de 1,2 milhões de euros a efetuar num terreno cedido pela autarquia, na Quinta do Jardim, junto ao complexo desportivo municipal e às escolas.

O contrato administrativo estabelece que a cedência vigorará pelo prazo de 50 anos, renovável por períodos de 20 anos.

O financiamento é garantido pelo Governo, através da Lei de Programação das Infraestruturas e Equipamentos para as Forças e Serviço de Segurança do Ministério da Administração Interna, que, segundo declarações da então secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto, previa um investimento de 450 milhões de euros até 2021 em todo o país.

A obra terá um prazo de um ano, após a adjudicação.

Atualmente, o posto da GNR de Óbidos conta com 25 elementos (23 efetivos e dois estagiários) e três viaturas, efetivo cujo reforço foi solicitado por Humberto Marques aquando da assinatura do contrato, dado Óbidos ser “um dos destinos turísticos do país” e de realizar em várias épocas do ano eventos que atraem muitos milhares de visitantes.

Lusa