O nazareno Wilson Portugal Santos foi um dos 144 marinheiros que, no primeiro domingo deste ano, zarpou no navio-escola Sagres para recriar a circum-navegação que Fernão Magalhães efetuou à volta do mundo há 500 anos.

“É um sonho realizado. Lembro-me de dizer que um dia seria militar deste navio, mas nunca pensei que nele fosse fazer uma volta ao mundo”, confessou o marinheiro, de 31 anos, antes de partir para a aventura que vai durar 371 dias.

O regresso a Lisboa está previsto para 10 de janeiro de 2021, depois da passagem por 22 portos de 19 países diferentes, em cinco continentes, visitando, de acordo com as previsões da Marinha, 12 cidades da rede Mundial de Cidades Magalhânicas, fazendo escala em Tóquio, durante os Jogos Olímpicos, onde será a casa de Portugal durante as olimpíadas.

O período mais longo que passou longe da família foi de apenas duas semanas, pelo que os 371 dias de viagem prometem deixar saudades. “Não vai ser fácil devido às saudades da família e amigos mas certamente vamos conseguir aguentar”, confessou Wilson Portugal Santos, que se despediu das filhas Filipa e Lara, de 12 e 9 anos, respetivamente, da mãe, da mulher, da irmã e dos avós no terminal de Cruzeiros de Santa Apolónia, em Lisboa.

O sonho do nazareno vem desde a visita que fez a um navio-escola Sagres durante a Expo’98. Wilson Portugal Santos já dizia que um dia iria embarcar numa volta ao mundo. Volvidas mais de duas décadas o sonho tornou-se real para este marinheiro que nasceu e viveu junto ao mar.

Sara Vieira

(Notícia publicada na edição de 16 de janeiro de 2020 do REGIÃO DE LEIRIA)