Em 2019, o número de casos de violência doméstica, no distrito de Leiria, aumentou face ao ano anterior e a violência psicológica foi aquela que registou maior incidência.

Os dados são da Mulher Século XXI – Associação de Desenvolvimento e Apoio às Mulheres, com sede em Leiria, que os divulgou em comunicado, ontem, terça-feira, na sequência da eleição de “violência doméstica” como “palavra do ano”, uma votação online por iniciativa da Porto Editora.

Na mesma nota, a associação afirma não estar impressionada com “este lugar cimeiro”. Refere que, em 2019, foram recebidos no Centro de Atendimento a Vítimas de Violência Doméstica do distrito de Leiria 184 novos casos (172 mulheres e 12 homens), mais 28 do que em 2018.

De acordo com a Mulher Século XXI, a violência psicológica é a que se mantém mais alta em 2019. Do total de casos recibos, 155 registaram este tipo de violência, 118 denunciaram violência física e 29 violência sexual.

Estes números são superiores aos de 2018, ano em que 141 pessoas sofreram violência psicológica, 103 violência física e 24 violência sexual.

Para a associação, estes números “mostram que as vítimas deixaram de se silenciar face à violência que sofrem e a que assistem, o que significa que as políticas de prevenção estão a produzir efeito”. Ao mesmo tempo, “as vítimas estão a identificar, cada vez mais, o fenómeno e a serem capacitadas para a sua desocultação”, através das  campanhas de sensibilização.

Do lado das entidades responsáveis pela intervenção, a Mulher Século XXI encontra também mais sensibilização e capacidade de resposta. No entanto, “o efeito dissuasor apenas pode ser verdadeiramente eficaz se toda a sociedade se erguer contra a violência que se passa do outro lado do muro, que acontece entre as quatro paredes da casa da vítima”.

Nesse sentido, apela à sociedade civil que se una contra a violência e lembra, no mesmo comunicado, o femicídio ocorrido recentemente em Leiria.

A Mulher Século XXI – Associação de Desenvolvimento e Apoio às Mulheres é uma Organização Não Governamental dos Direitos das Mulheres, reconhecida como Instituição de Utilidade Pública, sediada em Leiria, mas de âmbito nacional. No seu quadro de atuação está a promoção da igualdade de género e a cidadania, bem como prevenir e combater a violência de género, em especial, a violência doméstica.