As Jornadas de Cuidados Paliativos, agendadas para os dias 16 e 17 de março, em Lisboa e Fátima, foram adiadas devido ao surto de Covid-19, anunciou a organização.

Nestas jornadas, coorganizadas pela Academia Pontifícia para a Vida, Conferência Episcopal Portuguesa e Associação dos Médicos Católicos Portugueses, com o apoio da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos, deveria ser apresentada a versão portuguesa do Livro Branco dos Cuidados Paliativos.

“Face aos recentes desenvolvimentos e evoluções na epidemia por Covid-19, ponderando todos os fatores em presença, agindo com responsabilidade, seguindo as recomendações das autoridades de saúde e protegendo as vidas de todos, o grupo organizador e dinamizador comunica o adiamento das Jornadas de Cuidados Paliativos, que estavam agendadas para os próximos dias 16 e 17 de março”, anunciou a organização em comunicado divulgado esta noite.

As jornadas ocorrerão noutra data a definir.

O anúncio da organização destas jornadas surgiu no início do ano, quando se discutia a chegada dos projetos para a despenalização da eutanásia ao parlamento.

Na ocasião, a organização do evento apontava que a iniciativa pretendia “contribuir para a consciencialização da sociedade portuguesa em geral e dos profissionais de saúde e da Igreja em particular para a relevância e premência de os cuidados paliativos se tornarem mais acessíveis aos milhares de portugueses que deles carecem, enquanto cuidados de saúde interdisciplinares e de direito humano”.

Já o Livro Branco dos Cuidados Paliativos, para a defesa dos cuidados paliativos globais, “é uma declaração que apresenta um conjunto de recomendações objetivas aos diversos grupos interessados e envolvidos no desenvolvimento dos Cuidados Paliativos em nível mundial, como responsáveis políticos, universidades, farmacêuticas, associações e sociedades profissionais, meios de comunicação social, organizações internacionais, hospitais e centros de saúde, pacientes e famílias, entre outros grupos e pessoas”, acrescentavam os organizadores das jornadas.

O programa contemplava uma componente científica, no dia 16 de março, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, enquanto no dia seguinte, em Fátima, teria lugar uma sessão de sensibilização e informação sobre a cultura e a prática dos cuidados paliativos, sendo depois a causa dos cuidados paliativos consagrada a Nossa Senhora de Fátima, na Capelinha das Aparições, em cerimónia presidida pelo cardeal António Marto, bispo de Leiria-Fátima.