Faleceu esta quinta-feira, 9, aos 84 anos, Nelson Lobo Rocha, após uma vida dedicada às artes. Funcionário da Fundação Calouste Gulbenkian, onde trabalhou durante 40 anos na área das bibliotecas itinerantes, radicou-se na cidade de Pombal onde foi um dos grandes responsáveis pelo Museu de Arte Popular Portuguesa. A este, doou cerca de três mil peças de artesanato de todas as regiões do país, um espólio que resultou de décadas de trabalho de pesquisa.

Morreu Nelson Lobo Rocha
Nelson Lobo Rocha tinha 84 anos

O entusiasta cultural teve uma relação muito próxima com os artesãos nacionais e a literatura local, razão pela qual organizou as primeiras edições da Feira de Artesanato e Feiras do Livro em Pombal. A ligação de Nelson Lobo Rocha com a terra seguiu ainda por meio da Confraria do Bodo, fundada em 2005 no âmbito da tradicional festa popular homónima e da qual era membro.

“Foi uma figura maior da cultura no nosso concelho”, refere a Câmara Municipal de Pombal, que decretou luto municipal nos dias 9 e 10 de abril como forma de homenagem.

“O Município de Pombal presta novamente o seu reconhecimento e agradecimento pelo trabalho realizado por Nelson Lobo Rocha na valorização da arte popular e no enriquecimento cultural do concelho, com um legado que procuraremos honrar e continuar”, diz ainda em comunicado.

O trabalho de Nelson Lobo Rocha foi reconhecido pelo Município em 2001, quando foi distinguido com a Medalha Municipal de Cultura, em bronze, e, depois em 2012, quando recebeu a Medalha de Mérito Cultural, grau ouro.

Até o fim do dia desta sexta-feira, 10, a bandeira de Pombal, erguida no edifício dos Paços do Concelho, estará a meia haste em memória de Nelson Lobo Rocha.