Assinar
Sociedade

Autoridade Marítima Nacional reforça alerta para os perigos nas praias após acidentes nos últimos dias

Desde sábado, 23, foram registados 65 salvamentos em Portugal Continental, uma morte e o desaparecimento de uma pessoa.

Na tarde desta quarta-feira, 27, a Autoridade Marítima Nacional voltou a alertar a população sobre os cuidados necessários nas idas à praia, sobretudo nos dias mais quentes, quando muitas zonas ainda estão sem vigilância. O comunicado surge após “um número elevado de salvamentos, alguns deles graves, nas praias portuguesas” na última semana.

A instituição refere ainda que, desde o passado sábado, 23, “foram registados 65 salvamentos em Portugal Continental, uma pessoa desaparecida e há a lamentar uma vítima mortal”. De entre estes, está o caso do praticante de bodyboard que foi resgatado no último domingo, na praia de Paredes de Vitória (Alcobaça).

Os acidentes, informa a nota, podem estar relacionados com os efeitos da agitação marítima de inverno na área submersa de algumas praias, onde se observam fundões, declives acentuados, remoinhos e agueiros.

“A época balnear só terá início a 6 de junho, consequentemente, a maioria das praias não tem vigilância permanente, sendo por isso fundamental que todas as pessoas adotem um comportamento de segurança e evitem expor-se desnecessariamente ao risco”, reitera a autoridade.

As recomendações feitas passam por vigiar permanentemente as crianças; evitar comportamentos de risco, como virar as costas ao mar; e pedir ajuda através do 112, ao invés de entrar na água, em caso de testemunhar uma situação de perigo.

“É também de extrema importância cumprir as regras de distanciamento social e respeitar todas as indicações das autoridades, com o objetivo de reduzir a propagação da pandemia provocada pela Covid-19”, acrescenta o comunicado emitido pela Autoridade Marítima Nacional.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.