O músico Nuno Santos está a concretizar uma volta a Portugal em bicicleta e com um violino às costas que toca nos locais mais improváveis, um projeto que idealizou depois ficar sem concertos por causa da pandemia.

Chegou na tarde de desta sexta-feira, 22, à praça do município de Vila Real e, nesta “Volta a Portugal em violino”, carrega na bicicleta o que precisa para a viagem e traz o instrumento às costas.

“Estou neste momento a atravessar o país com o meu violino, estou a fazê-lo de bicicleta e o objetivo deste projeto é promover o álbum ‘Fado Improvável’ que lancei a 07 de março, mesmo antes da pandemia, que foi um azar”, afirmou à agência Lusa.

Nuno Santos, 39 anos e natural de Alcobaça, contou que ficou sem “agenda e sem concertos” por causa da covid-19 e está a aproveitar a fase de desconfinamento “para explorar um pouco mais o país”.

Antes de tudo ser cancelado, tinha oito concertos planeados, bem como alguns eventos privados. Para junho e julho tinha prevista uma expedição para escalar uma montanha no Paquistão.

“Ficou tudo em ‘stand-by’, à espera de melhores dias. Mas vi aqui uma oportunidade para fazer o que gosto, a viagem de bicicleta também não está a sair muito cara e as pessoas têm sido muito generosas”, contou.

Segue por estes dias a Estrada Nacional 2 (EN2) que o levará até ao Algarve e vai parando nas aldeias, vilas, cidades, montanhas ou rios.

Neste Portugal encontra palcos nos locais mais improváveis e toca para si ou para quem encontra no caminho.

Já tocou ao pôr do sol, na Senhora da Pedra, na praia de Miramar, debaixo de uma ponte e junto a um rio, e esta manhã no meio da rua, no centro da vila de Pedras Salgadas, em Vila Pouca de Aguiar.

O músico tem partilhado vídeos com as etapas da sua viagem, como este em baixo, que retrata a segunda etapa, entre a Praia de Mira e o Porto.

“Surgem por vezes situações caricatas, conhecem-se as pessoas e isto acaba por despertar alguma curiosidade sobre o meu trabalho e aquilo que eu faço”, referiu.

No seu último álbum faz “uma abordagem instrumental ao fado com o violino”.

O violino é precisamente o seu companheiro de viagem e, com este projeto, perspetiva fazer cerca de 1.600 quilómetros em 20 dias. Pelo caminho vai ficando em casa de familiares, amigos ou em pensões e vai fazendo contactos institucionais, como foi o caso da ida à Câmara de Vila Real.

Foi professor durante 10 anos, mas o apelo de novos desafios levou-o a deixar a carreira académica.

Nuno Santos gosta de tocar violino, de escalar montanhas e de fazer surf e juntou tudo isso no projeto “Um violino nos locais mais improváveis”.

“É um projeto que já tem alguns anos e em que o conceito é tocar violino nas maiores montanhas no mundo e a surfar as maiores ondas do mundo”, explicou.

Nuno Santos não tem qualquer previsão de quando vai retomar a sua atividade.

“É um dia de cada vez, navega-se à vista. Enquanto músico, os tempos não estão fáceis, eu e todos os músicos enfrentamos tempos difíceis sem agendamento de concertos, sem oportunidade de fazermos o nosso trabalho. É esperar por melhores dias e, no entretanto, fazermos outros projetos como estou a fazer agora”, salientou.

Portugal entrou no dia 03 de maio em situação de calamidade devido à pandemia, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março, e está a concretizar, de forma faseada, o plano de desconfinamento e de reativação da economia.