O município de Ourém aprovou na segunda-feira, dia 15, o Relatório de Gestão e Prestação de Contas do Município referente a 2019, com uma dívida total de 7,5 milhões de euros, o “valor mais baixo desde 2002”, disse o presidente.

O presidente da câmara de Ourém, Luís Albuquerque (coligação Ourém Sempre PSD/CDS-PP), adiantou aos jornalistas que o exercício de 2019 teve uma dívida de 7,5 milhões de euros, uma redução de 1,4 milhões de euros face a 2018.

“É um valor histórico e o mais baixo desde 2002”, sublinhou.

O autarca referiu ainda que, “pelo segundo ano consecutivo, o município teve resultados positivos”, com um saldo de 390 mil euros.

Em 2018, o saldo tinha sido de 780 mil euros.

Em dezembro de 2019, a câmara de Ourém, no distrito de Santarém, tinha disponível 9,5 milhões de euros. “Poderia pagar tudo e ainda sobrava dinheiro”, referiu Luís Albuquerque.

O presidente revelou ainda que a autarquia tem um resultado corrente positivo de 9,7 milhões de euros e 11,3 milhões positivos em relação ao orçamento corrente.

A capacidade de endividamento é de 35 milhões de euros.

O investimento total foi de 6,4 milhões de euros, “um aumento de quase 7% face a 2018”.

“De salientar que no nosso relatório temos 10,5 milhões de euros de amortizações contabilizadas e mesmo assim temos resultados positivos”, reforçou Luís Albuquerque.

O executivo de Ourém é constituído por quatro eleitos da coligação Ourém Sempre e três do PS.

O concelho de Ourém tem uma população de 44.044 pessoas, segundo dados da Pordata.