Quatro projetos culturais foram apurados no programa “Rede Cultura 2027” de Leiria, entre um grupo de oito candidatos, anunciou hoje o Município daquele concelho.

“Palco em Casa”, “Surma – II”, “Baile dos Pastorinhos” e “O Rei que nunca foi Rei” são os projetos selecionados pelo júri das candidaturas ao programa “Rede Cultura 2027”, criado no âmbito da candidatura de Leiria a Capital Europeia da Cultura em 2027, explica o Município de Leiria numa nota de imprensa.

O projeto “Palco em Casa” foi apresentado pela Sociedade Artística Musical dos Pousos, o projeto “Surma – II” pela CCER Mais – Cooperativa para a Criação e Promoção Cultural, Educacional, Marketing e Intervenção Social, Cooperativa de Responsabilidade Limitada, o “Baile dos Pastorinhos” é da autoria da Associação Folclórica da Região de Leiria – Alta Estremadura e “O Rei que nunca foi Rei” é d’O Nariz – Teatro de Grupo.

No processo de avaliação, a metodologia adotada na seleção dos projetos incidiu na ação de cruzamento entre a apreciação de cada projeto escrito e a apreciação de cada apresentação no formato ‘pitch’, acrescenta a Câmara.

O júri foi composto por Luís Ferreira, diretor artístico no 23 Milhas, Ana Saraiva, chefe de divisão de Ação Cultural Museus e Turismo da Câmara Municipal de Leiria, José Pires, diretor artístico e financeiro do Teatro José Lúcio da Silva, Marta Martins, diretora executiva da Artemrede, e Samuel Rego, gestor cultural.

Além destes projetos concorreram ainda um projeto de Criação da Banda Sinfónica Veterana da AFCL, pela Associação das Filarmónicas do concelho de Leiria, o Instituto Jovens Músicos, com o projeto “Lavadeiras Sonoras – Uma viagem histórica”, o Orfeão de Leiria | Conservatório de Artes propôs “Verão Art’em Rede” e o TASE – Teatro de Animação de Santa Eufémia candidatou “O Menino do Lapedo – Príncipe da Lua”. 

Na apreciação global dos projetos que apresentaram candidatura, o júri e a Câmara Municipal de Leiria “congratularam-se pela forma meritória e construtiva como cada candidato participou na reflexão coletiva sobre o papel fundamental que a cultura assume na valorização do território de Leiria”.

Foram ainda destacados a “robustez da rede de parceiros envolvidos, a valorização da dimensão humanista, o caráter inovador, a exequibilidade financeira e a dimensão de cidadania refletida no contributo para o bem comum”, lê-se ainda na nota de imprensa.

O Município revelou também que destinou 100 mil euros para o investimento nos projetos inscritos neste programa de apoio à “Rede Cultura 2027”.