Assinar Edições Digitais
Sociedade

“De onde vem e para onde vai?” PSP controla circulação entre Leiria e Marinha Grande

Operações da GNR e da PSP prosseguem até às 6 horas da próxima terça-feira. Este sábado, a PSP volta a fiscalizar a circulação na rotunda de acesso à A8

Vários condutores tiveram de fazer marcha atrás entre Leiria e Marinha Grande
Fotografias: Joaquim Dâmaso

Vários automobilistas tiveram de arrepiar caminho, esta sexta-feira, por não ter “justificação” para passar a fronteira entre Leiria e Marinha Grande.

Houve quem quisesse ir à Marinha Grande buscar lenha ou ainda quem tenha planeado passar a tarde com amigos, alegando ter confundido as zero horas do dia 30 – que marcou o início da proibição de circular entre concelhos – com a meia-noite. Ambos os condutores tiveram contudo de arrepiar caminho na rotunda de acesso da A8, depois de questionados pela PSP sobre os motivos da respetiva deslocação.

Um dispositivo com cerca de 20 agentes de várias esquadras da PSP de Leiria foi montado cerca das 15 horas, em torno da rotunda, para não deixar passar qualquer automobilista sem verificar o cumprimento das normas de circulação determinadas pelo Conselho de Ministros.

Durante cerca de duas horas, foram interpelados centenas de condutores, o que provocou longas filas de trânsito na EN 242. Apesar do manifesto descontentamento causado pela espera, não houve registo – enquanto acompanhámos a operação – de casos de desobediência ou renitência em cumprir as ordens da PSP, que aproveitou ainda o momento para proceder à fiscalização “normal” de várias viaturas.

A operação de âmbito nacional irá mobilizar PSP e GNR até 6 horas da próxima terça-feira, sendo que na área de Leiria cabe à PSP fiscalizar dois pontos com a Marinha Grande: na rotunda de acesso à A8, onde volta a estar este sábado, e entre Alcogulhe de Cima, na EN 356-1.

“De onde vem e para onde vai?” Esta foi a questão colocada vezes sem conta pelos elementos da PSP que verificaram declarações das entidades patronais, notificações ou comprovativos de consultas.

As declarações sob compromisso de honra, se a deslocação se realizar entre municípios limítrofes ao da residência habitual, nomeadamente para quem for levar ou buscar os filhos à escola, também são válidas.

Segundo o comissário André Serra, esta ação é diferente daquela que sucedeu em abril, ainda durante o estado de emergência. Embora, por força do dever de recolhimento, houvesse menos pessoas a circular, “estavam menos esclarecidas”. Hoje, “também pelo facto de ter sido amplamente divulgado pela comunicação social, as pessoas estão mais elucidadas e sensibilizadas para as normas que o Governo vai implementando – quer concordem ou não” -, e a maioria já se faz acompanhar dos documentos necessários, destaca.