Assinar Edições Digitais


Leiria

Requalificação do mercado municipal de Leiria vai custar mais 440 mil euros

A degradação da estrutura metálica” na cave do espaço principal, leva a que seja necessário “fazer esta intervenção para garantir a segurança das pessoas e dos utilizadores do edifício”, explica autarquia.

Mercado de Leiria com pessoas

A requalificação dos edifícios do Mercado Municipal de Leiria, adjudicada por 3,4 milhões de euros, vai custar mais 440 mil euros, devido à necessidade do reforço estrutural da cave do espaço principal.

O vereador Ricardo Santos, com o pelouro das Obras Municipais, explicou que, “na sequência das picagens que foram feitas já no desenrolar da obra”, constatou-se “a degradação da estrutura metálica”, sendo necessário “fazer esta intervenção para garantir a segurança das pessoas e dos utilizadores do edifício”.

À agência Lusa, Ricardo Santos adiantou que “na sequência das picagens, o Politécnico de Leiria fez um relatório sobre as condições estruturais e constatou a efetiva necessidade de ser feito o reforço estrutural devido à corrosão do ferro numa parte da cave daquele edifício”.

Na reunião do executivo, o vereador do PSD Fernando Costa considerou o caso “grave, gravíssimo”.

“Fazer o projeto sem ir verificar o estado em que estava o ferro é de uma irresponsabilidade”, comentou Fernando Costa, questionando como “é que se lançou a obra sem ver a estabilidade do edifício”.

O social-democrata referiu-se ainda à equipa projetista da obra e aos técnicos da Câmara como “irresponsáveis” e ao vereador como “distraído”.

O presidente da Câmara, Gonçalo Lopes, explicou que não se está num processo de caça às bruxas e reconheceu haver “necessidade de reforço da laje e dos pilares”.

“O pior era se nada fizéssemos nesta fase e adiar o problema”, destacou.

Fernando Costa adiantou que o voto contra do PSD para a abertura do procedimento com vista ao reforço estrutural da cave do edifício é um “protesto pela falta de responsabilidade”, porque “isto devia ter sido visto antes”.

“É falta de competência”, acusou.

Na discussão deste ponto, os ânimos acabaram por ficar exaltados, depois de o vereador Álvaro Madureira (PSD) ter considerado esta mais uma trapalhada da Câmara, que todos têm de pagar.

Gonçalo Lopes retorquiu que trapalhona é a oposição, numa troca de acusações que subiu de tom com Fernando Costa.

Numa nota de imprensa, em 19 de setembro de 2018, o município anunciou ter aprovado a adjudicação da empreitada para requalificação dos edifícios do Mercado Municipal, por 3,4 milhões de euros, mais IVA.

“Este projeto, com um prazo de execução da empreitada de 365 dias, prevê a modernização das instalações e da oferta comercial, integração com a envolvente comercial e gestão comercial, para melhoria de um espaço que atualmente se encontra em mau estado de conservação”, referia a nota de imprensa emitida na ocasião.

Segundo essa nota, “o piso superior será destinado à instalação de um espaço para ‘start-up’.

A área total reabilitada é 6.800 metros quadrados no interior e 2.500 metros quadrados no exterior.

“Os trabalhos prosseguem no resto do edifício principal, prevendo-se a conclusão de todos os trabalhos em meados do próximo ano”, acrescentou hoje à Lusa o vereador Ricardo Santos.