Assinar Edições Digitais
Leiria

Despoluição do Lis “não será possível” sem estação de tratamento – diz Gonçalo Lopes

O presidente do Município de Leiria considera que “uma solução verdadeiramente eficaz” para a despoluição da bacia hidrográfica do rio Lis “não será possível” sem a inclusão no sistema de uma estação para tratamento de efluentes suinícolas.

Em resposta esta sexta-feira, dia 12, a questões colocadas pelo REGIÃO DE LEIRIA, Gonçalo Lopes considera que “as medidas anunciadas pela Srª ministra da Agricultura poderão ser positivas, mas insuficientes”.

A governante, Maria do Céu Antunes, considera que a ETES do Lis não é uma prioridade, devendo o Governo dar primazia “à valorização agrícola, orgânica e à valorização energética”.

“Este problema [poluição das suiniculturas] tem de ser encarado, antes de mais, pela ótica da salvaguarda e garantia de qualidade de vida da população residente na região”, refere o presidente do Município de Leiria, destacando que “os residentes são alheios à origem do problema, mas têm sido os mais prejudicados”.

“Esta variável tem de ser determinante no desenvolvimento de soluções. Parece-nos que não será possível desenvolver uma solução verdadeiramente eficaz que não contemple, ainda que de forma parcelar, o tratamento em estação”, adianta.

Questionado sobre que ações vai desenvolver o município no sentido de se encontrar uma solução eficaz, Gonçalo Lopes responde que a autarquia “tem vindo a reunir com as entidades com responsabilidade nesta matéria, no sentido de serem encontradas soluções efetivas”, contudo “o papel do município é sobretudo de pressão junto das entidades a quem cabe a responsabilidade”.

No âmbito das competências da câmara municipal, foi anunciada a criação de um Serviço Municipal de Vigilância Ambiental, “no sentido de haver mais presença no terreno e dissuadir os crimes ambientais”.

“O Município de Leiria acompanha este processo de uma forma cooperante, mas muito determinada”, diz o autarca, concluindo: “As soluções terão de ser apresentadas pelos ministérios envolvidos, só depois de conhecidas nos poderemos pronunciar”.