Assinar


Ambiente

Município de Leiria defende criação de parque tecnológico agroindustrial

O modelo foi apresentado como solução para a poluição da bacia hidrográfica do rio Lis.

O presidente do Município de Leiria defendeu hoje a criação de um parque tecnológico agroindustrial que processe os efluentes e que esteja focado em promover a transformação da matéria orgânica em subprodutos que serão valorizados e transacionados.

Gonçalo Lopes falava na abertura da sessão de reflexão sobre a “ENEAPAI 2030 – Estratégia Nacional para os Efluentes Agropecuários e Agroindustriais 2030 e a Bacia do Lis”, que decorreu durante o dia de hoje no Teatro Miguel Franco, em Leiria.

Segundo explicou o autarca, o parque tecnológico, “além do processamento dos efluentes, estará focado em transformar a matéria orgânica em subprodutos que serão valorizados” “numa lógica de economia circular”.

Este parque deverá envolver “uma parceria com o ensino superior, em especial o Politécnico de Leiria, tendo em vista a realização de atividades de I&D [Inovação e Desenvolvimento] e inovação para a maximização do aproveitamento dos subprodutos”.

Gonçalo Lopes sublinhou que este modelo terá de contar com o “compromisso dos suinicultores de entrega do efluente e respetivo pagamento do tratamento”, e do “Governo, no financiamento do investimento das soluções técnicas de pré-tratamento e valorização”.

“Vamos agora trabalhar com o Governo na planificação e implementação desta solução”, assegurou o presidente da Câmara, frisando que o ambiente está “no topo das prioridades” do Município de Leiria.

“O sucesso do modelo a implementar deverá ser baseado num conceito de futuro, alinhado com as políticas europeias da economia circular e o ‘Green Deal’, alicerçado em contratos de fidelização de entrega de caudais mínimos dos efluentes das suiniculturas, e associado a ações de fiscalização com penalidades compatíveis com a sustentabilidade económica e ambiental da solução”, informou ainda.

O responsável lamentou que a falta de soluções para a poluição da bacia se arraste há dezenas de anos e assumiu que o sentimento de um cidadão “será de profunda indignação perante a sequência interminável de crimes ambientais e de avanços e recuos e de promessas não cumpridas”.

“Se for um político, o sentimento terá de ser de vergonha, exatamente pelas mesmas razões”.

Gonçalo Lopes avisou que a população de Leiria “não tolera que se continuem a suceder as descargas efluentes que poluem os rios e as praias”, e que “se continuem a suceder os episódios de espalhamento de efluentes sem regras às portas da cidade e das aldeias que tornam o ar absolutamente irrespirável”.

O autarca lembrou que a “bacia hidrográfica do rio Lis concentra cerca de três centenas de suiniculturas, que representam 17,5% da produção nacional”, e que a “produção de efluentes de suiniculturas ascende a cerca de 2 mil metros cúbicos por dia, sendo que a ETAR [Estação de Tratamento de Águas Residuais] Norte apenas tem capacidade para receber 280 m3/dia”.

É este “défice da capacidade de tratamento” que tem provocado as “descargas ilegais das suiniculturas em vários pontos da bacia hidrográfica do rio Lis, sendo a Ribeira dos Milagres o caso mais paradigmático”.

Para Gonçalo Lopes, a estratégia de valorização dos resíduos referidas pelo ministro do Ambiente e Ação Climática “só será eficaz se enquadrada num modelo sustentável, que envolva o Governo e seus organismos, ciência, setor empresarial e autarquias”.

“A Câmara Municipal de Leiria pretende fazer parte do modelo de governança e está disponível para assumir a liderança do processo, através dos SMAS [Serviço Municipal de Águas e Saneamento] Leiria ou da criação de uma entidade nova com o objetivo único da resolução definitiva da situação”, garantiu Gonçalo Lopes.

“Reafirmo o compromisso que tenho assumido: este assunto é para resolver, doa a quem doer, custe o que custar”, rematou.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.