Assinar
Desporto

Golo “mágico” de jogador do Sp. Marinhense merece aplausos mas também contestação (com vídeo)

Jogador Pablo González recorreu a um truque para levantar a bola, rodar sobre si mesmo e atirar a bola para a baliza. Lance iludiu adeptos e até comentadores.

O golo foi validado e surpreendeu todos os que assistiam à partida. No último sábado, o Sporting Marinhense, que já tinha confirmado a subida de escalão, recebeu o HA Cambra e venceu por 4-2.

No entanto, e depois de estar a perder por 0-2, o marcador virou e logo com um golo, fora do normal, marcado por Pablo González.

Na conversão de um livre direto, após marcação de falta sobre o jogador marinhense, Pablo González pegou na bola, seguiu rumo à baliza, levantou a bola com o stick e rodou sobre si próprio, enviando depois a bola para o fundo da baliza.

A “magia”, recorrendo a um truque e uma falta, utilizada pelo jogador da Embra surpreendeu todos os que estavam no pavilhão mas também os que acompanhavam a transmissão online do jogo. Há quem elogie a arte de Pablo González para concretizar o lance, no entanto, outros questionam se o golo merece ser considerado válido, pois o jogador terá tocado com a mão na bola, no momento em que rodopia.

Nuno Domingues, treinador do Sp. Marinhense, em declarações à SC Marinhense TV, no final do encontro, disse que o golo deveria ter sido anulado e criticou o desconhecimento da equipa de arbitragem sobre a modalidade. “Quem percebe de hóquei e vê hóquei sabe que a bola não cola ao stick”, justificou, não tirando o mérito ao atleta.

“Eu vejo aquilo nos skills. E só um arbitro que não percebe de hóquei… a bola não cola ao stick, temos que ser justos. É preciso ter coragem… Tecnicamente toda a gente sabe o valor dele [Pablo], mas temos que ser justos e a bola não cola ao stick numa volta”, disse.

Assista às declarações do treinador, no final do vídeo.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.