Assinar


Mercado

Ministro Manuel Heitor destaca proximidade do ensino superior às empresas

Na visita à Vipex, na Marinha Grande, o ministro falou com alunos e ex-alunos do Politécnico de Leiria, que trabalham na empresa.

Manuel Heitor, ministro da ciência, tecnologia e ensino superior sentado à secretária a folhear documentos

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior destacou hoje a importância da proximidade do ensino superior ao setor empresarial e considerou, após a visita a uma empresa na Marinha Grande, que “pessoas qualificadas” vão “criar mais riqueza.

Manuel Heitor adiantou que o roteiro ‘Qualificação, Requalificação e Inovação: impulso para a produtividade e competitividade’ “não podia ter começado melhor”, com a visita à Vipex, onde o que mais o “motivou” foi “ver a alegria no trabalho”.

“O que vemos nesta empresa é o emprego de pessoas qualificadas, que estão a criar mais riqueza e novos produtos, e a empresa está a crescer. Esta proximidade do ensino superior com as empresas e com a atividade de investigação, juntamente com um apoio importante dos municípios, é particularmente importante”, afirmou o governante à agência Lusa, à margem do evento.

O ministro salientou que pretende que no Plano de Recuperação e Resiliência “este seja o modelo, quer na área do ensino superior, que tem de ser tudo feito em colaboração com as empresas e com os municípios, quer na área da inovação empresarial, que tem envolver atores locais”.

“Esta capacidade de inovar depende das pessoas e de pessoas alegres, num ambiente de trabalho bom e digno, combatendo sempre a precariedade no trabalho e dignificando a qualificação das pessoas, para lhes dar melhores salários e trazer mais valor económico às atividades produzidas”, reforçou o ministro.

Na visita à Vipex, o ministro falou com alunos e ex-alunos do Politécnico de Leiria. Alguns realizaram cursos Tecnológicos Superiores Profissionais e licenciaturas, outros estão a realizar pós-graduações ou até um doutoramento, assim como jovens a cumprir estágios curriculares.

Um desses exemplos é Bruno Silva, engenheiro eletrotécnico formado no Politécnico de Leiria, que está a realizar um doutoramento em inteligência artificial, e que destacou a “relevância” da ligação entre o ensino superior e as empresas, que se complementam entre “teoria e prática”.

“Este é um exemplo daquilo que é o país que todos queremos construir, com mais riqueza, mais emprego e mais emprego qualificado, e com empresas que sejam cada vez mais economicamente sustentáveis e com metas. Aqui há metas para duplicar a faturação, mas criando também mais empregos”, destacou Manuel Heitor.

O administrador da Vipex, Jorge Santos, salientou que trabalha para “gerar valor” e “reduzir custos”, algo que os “clientes apreciam”.

Destacando que a Vipex tem contratado estudantes das várias escolas do Politécnico de Leiria, o presidente Rui Pedrosa frisou que a instituição de ensino superior “trabalha no sentido da empregabilidade qualificada para melhoria da qualidade de vida desta região”.

“Passa por ter empresas economicamente competitivas e isto só se faz com conhecimento. Os estudantes que aqui vemos aumentam valor em toda a cadeia e quando as empresas estão melhor em termos competitivos globais, a região está melhor e o Politécnico de Leiria está melhor a prestar o seu serviço de formar e de ter projetos de inovação e investigação com impacto”.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.