Assinar
Ambiente

Vidrala evitou emissões para a atmosfera equivalentes ao abate de 30 mil carros

Menos 125 mil toneladas ao longo dos dois últimos anos e meio

vista aérea da fábrica de vidro Santos Barosa na Marinha Grande

O Grupo Vidrala “diminuiu ao longo dos dois últimos anos e meio em 125 mil toneladas o total de emissões de CO2 para a atmosfera, o equivalente a 30 veículos retirados de circulação ou 90 mil árvores plantadas”.

“Face ao próximo biénio”, a empresa de design e produção de embalagem de vidro para a alimentação e bebidas, “espera que as duas instalações de Marinha Grande baixem as emissões para a atmosfera 100 mil toneladas de CO2”, conforme anunciou esta quarta-feira, dia 6, a propósito da renovação do contrato com a Acciona Energia.

“A renovação do acordo contempla o fornecimento de 343 GWh de energia verde adicionais nos próximos dois anos”, explica a Vidrala, em comunicado, adiantando que “à aposta determinada pela utilização de energia verde, junta-se agora uma melhoria significativa da eficiência nas suas instalações lusas, graças à adoção da tecnologia Greenchain da Acciona Energea, que permite visualizar em tempo real a geração de energia limpa”.

“Além disso, certifica o consumo da energia fornecida com uma garantia de origem 100% renovável, avaliada pela Entidade Emissora de Garantias de Origem e pela Rede Elétrica Nacional portuguesa”, adianta.

A plataforma Greenchain permitirá à Vidrala “delinear em tempo real o consumo de energia renovável e consultar o volume de emissões de CO2 evitado, para além das equivalências associadas, como, por exemplo, a quantidade de árvores plantadas ou a quantidade de veículos retirados das estradas”.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.