Assinar


Porto de Mós

Festival de bacalhau à mesa dos restaurantes de Porto de Mós

Pretende promover “a culinária como património cultural e os estabelecimentos de restauração locais como espaços de degustação”

O município de Porto de Mós promove, de 11 a 26 de dezembro, a primeira edição do Festival Gastronómico do Bacalhau, que vai decorrer nos restaurantes aderentes do concelho.

“A realização deste festival tem o objetivo de valorizar e divulgar o bacalhau, tão tradicional da gastronomia portuguesa, mas também da época natalícia”, refere uma nota de imprensa da câmara municipal.

Por outro lado, pretende promover “a culinária como património cultural e os estabelecimentos de restauração locais como espaços de degustação e valorização dos sabores e saberes tradicionais”.

Grandes consumidores

Os portugueses comeram entre quatro e cinco mil toneladas de bacalhau na última consoada, 30% do consumo total, um número que não foi impactado pela pandemia, adiantou o Conselho Norueguês dos Produtos do Mar.

“O consumo de bacalhau da Noruega na época natalícia representa 30% do total anual, estimando-se que na noite de consoada foram consumidas entre quatro a cinco mil toneladas de bacalhau em Portugal”, apontou o diretor para Portugal do Conselho Norueguês dos Produtos do Mar (NSC), Johnny Thomassen.

Já no que se refere à origem, 70% de todo o bacalhau consumido em Portugal vem da Noruega.

No total, Portugal é responsável por 20% do consumo de bacalhau no mundo, posicionando-se assim como o mercado que mais prefere este peixe.

No ano passado, a concorrência entre as grandes superfícies levou a uma descida dos preços deste pescado em comparação com o ano anterior, à semelhança do que também aconteceu na Noruega, mas o consumo doméstico deverá manter-se ou subir.

“O bacalhau demolhado ultracongelado representa 20% do mercado e o bacalhau seco salgado os restantes 80%.

O mercado de bacalhau demolhado ultracongelado cresceu 8% entre setembro de 2019 e setembro de 2020, enquanto o bacalhau seco salgado se mantém relativamente estável, com uma ligeira diminuição de 1%”, referiu o NSC.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.