Assinar


Saúde

Centro Hospitalar de Leiria vai remodelar serviço de Medicina Física e Reabilitação

Administrador do Centro Hospitalar de Leiria considera este projeto como “estruturante” e “muito necessário” para a população que a unidade hospitalar serve.

O Centro Hospitalar de Leiria (CHL) vai lançar um concurso para a remodelação estrutural do Serviço de Medicina Física e de Reabilitação, no Hospital de Santo André, em Leiria.

Com um investimento previsto de cerca de 948 mil euros, o concurso público para a execução do projeto será aberto em breve e a execução da remodelação está prevista para dez meses, tendo apoio do FEDER (Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional), refere uma nota de imprensa.

Segundo o CHL, o projeto visa uma mudança funcional do Serviço de Medicina Física e de Reabilitação, nomeadamente a garantia de condições de higiene e segurança a utentes e profissionais, e proporcionar ganhos funcionais ao doente da forma mais eficiente possível.

O serviço será reestruturado de modo a dividir os espaços terapêuticos por patologia, contemplando, assim, uma zona para reabilitação do membro superior, reabilitação do membro inferior, reabilitação pediátrica, reabilitação neurológica, reabilitação cardiorrespiratória e reabilitação do pavimento pélvico.

Incluirá ainda área para realização de técnicas invasivas para controlo da dor/espasticidade, sala de estudos urodinâmicos e área dedicada a novas tecnologias, incluindo treinos através de realidade virtual, refere a mesma nota.

O CHL adianta que cada doente deslocar-se-á, assim, a uma única área terapêutica, na qual será tratado por terapeutas diferentes naquela patologia (como terapia da fala, terapia ocupacional, fisioterapia), sendo ainda observado pelo médico fisiatra responsável.

A remodelação inclui também a aquisição de equipamento técnico mais específico e diferenciado, que contribuirá para o melhor tratamento dos intervenientes e para a eficácia do programa de reabilitação.

“Esta obra permitirá diferenciar os profissionais, melhorando a articulação entre os mesmos e a atuação célere em momentos de complicações ou de sucesso terapêutico, promovendo a redução de contactos e de vindas ao hospital”, disse o presidente do Conselho de Administração do CHL, Licínio de Carvalho, citado na nota de imprensa.

Segundo o responsável, o “trabalho em equipa, a articulação com a família e com os outros níveis de cuidados, assim como o uso de tecnologia, serão pontos fundamentais a desenvolver, proporcionando a continuidade de cuidados e a redução do tempo de intervenção em meio hospitalar”.

“Este projeto é estruturante para o CHL e representa um investimento muito significativo e muito necessário à população que o centro hospitalar serve”, reforçou Licínio de Carvalho.

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é assinante, entre com a sua conta. Entrar