Assinar
Pedrógão Grande

Valdemar Alves surpreendido com pena de prisão: “É demasiado pesada”

Ex-presidente da Câmara e ex-vereador, hoje condenados pelo Tribunal Judicial de Leiria a sete e seis anos de prisão, respetivamente, vão recorrer.

Reconstrução das casas após incêndios de 2017 originou processos contra os responsáveis autárquicos

O ex-presidente da Câmara de Pedrógão Grande Valdemar Alves mostrou-se hoje surpreendido com pena de prisão a que foi condenado pelo Tribunal Judicial de Leiria no processo relacionado com a reconstrução de casas após os incêndios de junho de 2017 e disse que vai recorrer.

“Isto foi uma surpresa. Não tenho palavras para isto. É [pena] demasiado pesada”, disse, no final do julgamento, citado pela agência Lusa.

O ex-presidente da Câmara de Pedrógão Grande Valdemar Alves foi hoje condenado na pena única de sete anos de prisão pelo Tribunal Judicial de Leiria.

Valdemar Alves tinha sido pronunciado por 20 crimes de prevaricação de titular de cargo político, 20 crimes de falsificação de documento e 20 crimes de burla qualificada, cinco dos quais na forma tentada, os mesmos do despacho de acusação.

O ex-autarca considerou que ainda “vai ser uma caminhada muito longa” e que vai “conferenciar com o advogado”, mas a decisão judicial será alvo de recurso.

Também o ex-vereador da Câmara de Pedrógão Grande, Bruno Gomes, que estava acusado dos mesmos crimes, foi hoje condenado na pena única de seis anos de prisão.

O advogado de Bruno Gomes, Victor Faria, avançou também que vai recorrer da condenação do seu cliente:

“Não estávamos à espera de uma decisão com esta gravidade, com este peso”, afirmou o advogado após a leitura do acórdão, no Tribunal Judicial de Leiria.

Em declarações reproduzidas pela agência Lusa, o advogado afirmou que irá “ler o acórdão com atenção” para eleger “aquilo que será invocado” no recurso que irá interpor.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos relacionados

Subscreva!

Newsletters RL

Saber mais

Ao subscrever está a indicar que leu e compreendeu a nossa Política de Privacidade e Termos de uso.

Artigos de opinião relacionados