Assinar
Cultura

Liberdade em forma de festival com muita poesia para celebrar em Leiria

Declamação, conversas, apresentações de livros e iniciativas comunitárias. Entre dezenas de propostas, propomos um roteiro para estes dias de Ronda Leiria Poetry, ao sabor de Abril.

Aldara Bizarro apresenta "A nova bailarina" no Teatro José Lúcio da Silva, este domingo, às 21h30 Aldara Bizarro

Nas ruas da cidade, nos cafés, nas salas de espetáculo, no castelo ou na Arquivo, a poesia chega a muitos recantos de Leiria nos próximos dias, na quarta edição de Ronda Leiria Poetry Festival.

Entre 22 e 25 de abril, estão previstas quase oitenta atividades que cruzam poesia com a música, a dança e o teatro. Há muito para ver, ouvir e sentir, por isso sugerimos um roteiro possível por entre o que acontece, a começar pela sessão de abertura, amanhã, sexta-feira (17 horas): na livraria Arquivo, juntam-se à mesa para conversar sobre poesia e fado, arte e liberdade, a fadista Aldina Duarte e a editora e poeta Maria do Rosário Pedreira, que mantêm uma parceria desde o álbum “Conto de Fadas” (2011) ao recém-lançado “Tudo recomeça”.

Mais tarde, às 19 horas, a Biblioteca de Leiria recebe Nuno Júdice, que assinala este ano meio século sobre a edição do primeiro livro. Às 23 horas, o coletivo Luz Clandestina junta-se à companhia Corpo para um momento de celebração da poesia através da música, da dança e da palavra no Centro Cívico.

No sábado, a poesia sai à rua e vagueia pela Praça Rodrigues Lobo e pela travessa do Teatro Miguel Franco na voz dos grupos de teatro “O Gato” e TASE. Pelas 15h30, o poeta peruano Alfredo Pérez Alencart estreia em Portugal, na Biblioteca de Leiria, duas obras com edição portuguesa. E, às 17 horas, é lançada no Castelo a quinta edição da revista “Acanto”.

Ao final da tarde, há concerto do Poetry Ensemble, que vai revisitar poetas que escreveram contra a opressão (às 19h30 na livraria Arquivo) e do Quarteto do Rio, que se junta à Orquestra Filarmonia das Beiras para homenagear músicas populares brasileiras, nomeadamente do poeta Chico Buarque. Às 21h30 no Teatro José Lúcio da Silva.

O terceiro dia da festa da poesia começa às 10 horas de domingo com oficina de escrita poética, por Carla Veríssimo: os participantes são desafiados a deixar fluir a criatividade enquanto deambulam pelo Castelo de Leiria (necessária inscrição prévia). À tarde (16 horas), será abordada a obra poética de Manuel Alegre, na Igreja da Misericórdia.

A dança chega às 21h30 ao Teatro José Lúcio da Silva com “A nova bailarina”, espetáculo coreografado por Aldara Bizarro em que o público é convidado a tomar decisões de cidadania (bilhetes: 7,50 euros).

Na segunda-feira, dia 25, o Centro Cívico acolhe a última mesa do festival, em que quatro poetas discutem as novas liberdades (10 horas). A Revolução dos Cravos é ainda assinalada com declamação de poemas sobre liberdade por David Teles Ferreira, no Praça Caffé e Espaço Eça (11 horas). Haverá ainda sessão solene no Teatro Miguel Franco (16 horas).

O festival encerra com uma viagem por seis temas de Zeca Afonso interpretados pelos UHF. É às 21h30 de segunda-feira, no Teatro José Lúcio da Silva (15 euros). O programa integral pode ser consultado online aqui.

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é assinante, entre com a sua conta. Entrar