Assinar


Alcobaça

Beneficiação do IC2 condiciona trânsito na Benedita durante um mês

Trabalhos decorrem no troço entre Asseiceira e Freires.

Infraestruturas de Portugal

Os acessos ao Itinerário Complementar (IC) 2 vão estar condicionados na freguesia da Benedita, durante cerca de um mês, devido à empreitada de beneficiação da via, informou hoje a Infraestruturas de Portugal (IP).

No âmbito da empreitada para a execução das obras de beneficiação do troço do IC2, entre Asseiceira e Freires, iniciada em janeiro, “será necessário proceder a um novo condicionamento de trânsito na freguesia de Benedita [no concelho de Alcobaça] a partir do próximo dia 23”, informou a IP.

De acordo com a empresa, durante aproximadamente 60 dias, os trabalhos decorrem no troço compreendido entre os quilómetros 81 e 81,700, “o que obriga ao impedimento de aceder de e para o IC2 através dos arruamentos municipais, bem como proceder a viragens à esquerda”.

No local será colocada sinalização de informação necessária para os desvios alternativos dos acessos ao IC2.

A empreitada para a execução das obras de beneficiação do troço do IC2, entre Asseiceira, no concelho de Rio Maior, no distrito de Santarém, e Freires, no concelho de Alcobaça, no distrito de Leiria, foi consignada a 3 de janeiro deste ano.

A intervenção envolve um investimento superior a 8,4 milhões de euros e inclui, segundo a IP, a reabilitação integral do pavimento, o reforço e reabilitação do sistema de sinalização (horizontal e vertical), dos equipamentos de segurança da estrada e do sistema de guiamento e balizagem, bem como a beneficiação global do sistema de drenagem da via e a reformulação de cinco intersecções de nível, com construção de rotundas que substituirão os atuais cruzamentos.

Trata-se de um investimento “no reforço da segurança e condições de mobilidade dos milhares de automobilistas que diariamente circulam no IC2”, afirmou na altura a IP num comunicado.

A empresa tinha anunciado em dezembro de 2021 que o arranque da empreitada, com cerca de 20 quilómetros, tinha obtido visto prévio do Tribunal de Contas e que as obras teriam início no mês seguinte, sendo o prazo de execução de 450 dias.

O anúncio foi feito quando o Movimento Marcha Lenta do IC2 preparava um protesto reivindicando o início das obras, reclamadas há décadas e cujo adiamento motivou a realização de várias manifestações com os automobilistas a queixarem-se do mau estado do piso, o que provocava o rebentamento de pneus e o despiste de camiões.

A IP deliberou em outubro de 2015 proceder ao lançamento do procedimento pré-contratual necessário à contratação da empreitada denominada “IC2/EN1 – Beneficiação entre Asseiceira (KM 65+200) e Freires (KM 85+500)”, pelo valor de 7,5 milhões de euros, que, na altura, faseou pelos anos de 2016 (1,15 milhões de euros) e 2017 (6,35 milhões de euros).

O lançamento do concurso voltou a estar previsto até ao final de 2018, com previsão do início da empreitada no segundo semestre de 2019, “condicionado, todavia, à obtenção da autorização de encargos plurianuais”, como admitiu, na altura, a empresa, na resposta a uma questão do município de Rio Maior.

Em 2019 e em fevereiro de 2020 foi anunciada nova previsão de lançamento do concurso público.

O IC2 liga Lisboa ao Porto, funcionando como uma variante à Estrada Nacional n.º 1. A elevada sinistralidade tem motivado vários apelos ao longo dos últimos anos, incluindo na Assembleia da República, a exortar para uma “requalificação urgente” dos troços mais perigosos do IC2.

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é assinante, entre com a sua conta. Entrar